quarta-feira, 7 de outubro de 2015

NOSSA VIDA E MINISTÉRIO CRISTÃO




Ser conservador ou não ser, eis a questão. Normalmente sou um pouco resistente a mudanças, mas às vezes mudar é bom. Joga a rotina para o escanteio e fomenta a motivação.

Por exemplo, quando anunciaram o fim do Estudo de Livro de Congregação, já estava mais que na hora: a reunião não atraía muita gente, era tediosa e por ser nas casas dos irmãos, às vezes trazia situações constrangedoras que não dignificavam. Por fim, após a queda drástica da assistência aliada a alguns relatos negativos feito por superintendentes, ela foi descontinuada.

A diminuição do tempo do discurso público de 45 para 30 minutos e a sintetização do estudo de A Sentinela também foram mudanças que vieram com bons olhos.

Mas a mudança radical que extinguiu a Escola do Ministério Teocrático e a Reunião de Serviço, confesso, me pegou de surpresa e ainda estou diluindo seus efeitos.

Desde que os anciãos receberam em meados de setembro uma carta a informando que seria lida uma informação importante no dia 04 de outubro, criou-se uma rede de boatos enorme. Particularmente, não gosto desse tipo de tática usada pelo Corpo Governante pois cria-se uma expectativa para algo alarmante e geralmente é recheado de suposições apocalípticas. Faz com que fracos na fé (ou fortes, sabe-se lá) comecem a acreditar no fim do mundo.   Parece que 1975 não serviu de lição, enfim, comentarei sobre isso mais adiante.


NOSSA VIDA E MINISTÉRIO CRISTÃOS


Entre várias mudanças anunciadas, a que mais chamou a atenção foi a substituição delas pela nova Vida e Ministério. Com a mudança radical chega-se o fim da era de ouro das reuniões cristãs e nasce uma nova era. 

Essas mudanças refletem o progresso da Organização e o desejo de facilitar o acesso das pessoas à verdade. Significa também que assim como ocorreu com o evento que ocasionou o fim do estudo de livro de congregação, os irmãos perceberam que as reuniões estavam corriqueiras e resolveram dar uma renovada para animar e motivar mais os irmãos.

As mudanças são boas mas o fato é que muitos tradicionais e conservadores terão um pouco de desilusão com essa mudança. Vamos ter saudades de quando éramos jovens fazíamos o discurso 2, um discurso de verdade, como inicio e fim, transformada tempos depois numa mera leitura da bíblia. Isso já tinha me deixado muito decepcionado. Que dizer do "discurso 4" então? Muitos não sabem, mas deixar de fazer o discurso 2 para ir ao 4 era como se você tivesse passado no vestibular, subido de cargo ou passado de fase! 

Mas como eu disse tudo tem que progredir, evoluir para melhor. Talvez o modelo estava batido e por isso precisava de uma remexo como esse. Ainda estou lendo, vendo como vai funcionar o novo modelo. De uma coisa é certa, teremos menos discursos prontos e mais discursos espontâneos. 

As Testemunhas de Jeová entraram num processo de mudança organizacional sem precedentes. Há uns dez anos brinquei que faltava pouco para assistir nossas reuniões de modo virtual. Claro que isso foi uma ironia, mas é inegável que hoje a organização focou na internet de uma forma impensável há uns vinte anos atrás. Todas as informações disponíveis no site JW.ORG, basta ir lá e baixar. Chega a ser engraçado ver tantos smarthphones e tablets ligados durante a reunião. 


O FIM ESTÁ PRÓXIMO?

Sim, está. Mas as mudanças nas reuniões não tem nada a ver com isso. Não significam isso que o fim dos sistema de coisas está mais próximo ou mais distante. Significa apenas que a Organização de Jeová está cortando gastos e sintetizando informações. Deixando a verdade mais clara e concisa.

Há vinte anos para se batizar você precisava estudar todo o livro Viver para sempre e depois concluir o Adoração cujo processo durava cerca de um ano. Hoje não precisa de tudo isso.

Como disse lá em cima, as mudanças poderiam ser ditas de forma clara à congregação, não precisava fazer todo esse suspense, que só faz fomentar a mente de apocalípticos que aproveitam a situação para aterrorizar os cristãos com ideais de fim de mundo, quando na verdade, deveria ser o inverso: fomentar o amor e a motivação para continuar adorando esse Deus maravilhoso.

Foi assim em 1975 quando o Corpo Governante anunciou que chegava os 6 mil anos da humanidade e muitos alardearam que estava vindo o Armagedom. Hoje em dia qualquer coisa que se faça, minha irmã me manda mensagens chorosas dizendo que o fim está próximo. Se se lança uma brochura, é o armagedom, se o Corpo Governante anuncia que vai parar algumas construções - possivelmente por causa da crise que atinge a Europa - é o armagedom; muda o estilo da reunião, é o armagedom. Curioso que é justamente esses apologéticos que criticam os evangélicos com suas profetadas apocalípticas.

Vou finalizar com o comentário perfeito feito por Felipe Assis:

"Jeová não apressará ou retardará a Grande Tribulação e o Armagedon por causa das ações de seus servos (mesmo que seja o Corpo Governante). A data já está estabelecida e não mudará. As ações do Corpo Governante não devem ser interpretadas como um sinal do fim, visto que Jeová em hipótese alguma revelará de algum modo especial informações privilegiadas aos membros do Corpo Governante. Devemos ter sempre em mente que a cada dia que passa vivemos mais perto do que será o ÚLTIMO DIA dos ÚLTIMOS DIAS.

Sendo assim, não vamos nos preocupar excessivamente com a DATA do fim, ou com SINAIS que indicam ou alardeiam a proximidade. Os sinais já estão descritos na Bíblia e estão se cumprindo.

Antes, mantenhamos o senso de urgência e a preocupação em nos manter aprovados para quando este dia chegar."



Que Jeová tenha misericórdia de todos nós.

Jah bless you!



35 comentários:

  1. Olá André. Descordo de você quando falou sobre a questão de criar suspense. Em primeiro lugar, o aviso de que teria uma carta disponível a partir das 15h do dia 03/10/2015, foi enviada somente para os anciãos. O objetivo não era criar suspense, mas sim para deixá-los atentos a entrar no site a partir desse horário. Isso foi feito para garantir que a maioria dos anciaos lessem a carta nesse dia, visto que muitos anciaos nao tem o habito de acessar a area congregacional do site jw.org todos os dias, separando as vezes um dia na semana para fazer isso. Pelo visto deu certo, pois o número de acessos foi tanto que o site caiu (!), impossibilitando, infelizmente, que muitas congregações que tem reuniao aos sabados, tivessem a leitura da carta nesse dia. Entretanto, quem tem reuniao aos domingos, praticmente 100% das congregações tiveream a leitura da carta.

    Quanto a mudança, não foi tão drástica quanto se parece. Explico:

    Tesouros da Palavra de Deus:

    Discurso = antigo discurso de instrução (o famoso no. 1).
    Encontre Joias Espirituais (antigo destaques, porém, sem os comentários introdutórios de 2 min, e com perguntas).
    Leitura da Bíblia = Igual a que existe hoje.

    Faça seu melhor no ministério.

    As três partes de estudante equivalem ao atual Discurso 2. A maior mudança foi a remoção do antigo discurso 3 (ou para os mais velhos, o discurso 4 rs).

    Nossa Vida Cristã

    Antiga reunião de serviço, porém com redução para 15 min (antes eram 30, antes de 2009 eram 45. Particularmente achei bom, pois a reuniao para o serviço de campo já atende bem ao objetivo).

    E o Estudo Bíbico de Congregação continua lá, assim como antes, porém, como uma parte dentro da seção Nossa Vida Cristã.

    E a adição de vídeos às reuniões já estava sendo feito desde há algum tempo, até mtas congregações compararam uma TV ou projetor para este fim.

    PS: A expectativa gerada nao foi para 1976, e sim para 1975.

    Ágape!

    ResponderExcluir
  2. É... o ancião que passou pra esposa, que passou para os filhos, que passou para a melhor amiga, que passou pros amigos... enfim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que vc tem a ver com isso? Não deveria tirar primeiro a trave do seu olho ao invés de ficar reparando no cisco dos olhos alheios?

      Excluir
  3. É por essas coisas que digo que no passado era pior

    ResponderExcluir
  4. Se isso não é apostasia eu não sei de mais nada...

    ResponderExcluir
  5. Eu realmente sinto muito que você pense dessa forma André. Com essa atitude arrogante como demonstrada no seu comentário, vai ser mto difícil voltar para a organização que vc diz ser aprovada por Jeová. Eu desejo que você corrija seu modo de pensar e procure ser mais humilde. Lembre-se que a sabedoria está com os modestos.

    ResponderExcluir
  6. "Se isso não é apostasia eu não sei de mais nada..."

    Vou te explicar: (a·po·sta·sí·a) deriva do verbo a·fí·ste·mi, que significa literalmente “apartar-se de”, era usado pelos gregos quando um politico se afastava de um partido e ia para a oposição. Foi o termo adaptado pelas Testemunhas de Jeová para designar pessoas que abandonam a organização e se volta contra ela, deturpando verdades bíblicas ou até mesmo fundando uma nota seita ou religião. Uma pessoa desassociada não é necessariamente uma apóstata.

    "Com essa atitude arrogante como demonstrada no seu comentário"

    Humildemente, de verdade, me mostre onde fui arrogante? Ter uma opinião pessoal sobre algo não é arrogância.



    ResponderExcluir
  7. to gostando de ve,parece que voce esta se lapidando,que isso lhe leve a voltar

    ResponderExcluir
  8. acredito que lhe vejo como leonidas na ultima cena de 300,ele nao mudou sua atitude e pagou com a vida,talvez voce pague com a sua volta por que os que lhe julgarão devem saber do que rola aqui

    ResponderExcluir
  9. This is Espaaarta... ops, foi mal, me animei. :)

    ResponderExcluir
  10. O autor deste blog padece de problemas psicológicos

    ResponderExcluir
  11. Andre estou assistindo em uma nova congregação para ser readmitido,mas eu passe quase um ano inteiro na antiga e eles negaram meu pedido de readmissão,porem nessa nova congregação o coordenador perguntou ao viajante se eles poderiam usar o tempo que passei nessa nova congregação ai o superintendente disse que não podia pois o erro foi da ultima congregação em que estava assistindo já nessa nova o coordenador disse para eu esperar dois meses para sentar comigo e enviar o meu pedido de readmissão a minha congregação de origem !estou ansioso mas nao muito ,e o vc o que acho disso?

    ResponderExcluir
  12. huahauhau... tentando entender a relação com o Pascoal. (eeee... ganhou um(a) defensor(a)) Existe coisa mais ridícula que alguém usar o termo "falsiane"? Não sou tjotinha, sou desassociado!!! Sou a escória da escória. :((

    ResponderExcluir
  13. Sede sem defeito e não fazei outros tropeçar, até o dia de Cristo.’ — Fil. 1:10. Culpa de sangue você tem e muita

    ResponderExcluir
  14. Rpz, seu Twitter está mais sujo do que pau-de-galinheiro. Você coloca palavrões porque tem um vocabulário restrito ou quer mostrar que é um cara descolado. Tenho amigos Testemunhas de Jeová e nunca os ví se expressar da mesma forma que você. Dizer que é TJ só para aporrinhar os crentes eu acho qué é forçar a barra.
    Bom Domingo!

    ResponderExcluir
  15. Anônimo1:

    Pra quem está incomodado com o que eu penso e escrevo, acompanhar meu blog e ainda acompanhar meu Twitter é uma demonstração incrível de falta de interesse.

    Já que você lê muito meu blog, vou repetir o que já escrevi antes: nunca fui santo, nunca posei de correto, muito pelo contrário, admito meus erros e minhas limitações.

    Esse blog não tem motivações proselitistas e nem tenho interesse em arrendar seguidores. Contudo já ajudei muitas pessoas a retornar à Jeová e fico feliz com isso.



    Anônimo 2:

    Volta lá, lê os comentários e depois volta. Vou lhe dá essa chance, já que seu comentário foi totalmente fora do contexto.

    ResponderExcluir
  16. vc naum acha que esta sendo arrogante demais com a organização de jeová?se o corpo de ançiãos te deram mais dois meses de espera,porque não?pra quem já esperou esse tempo todo isso não é nada,lembre se de naamã ó homem de pouca fé..e outra que espererasse na sua congregassão primeiro então..ops já falei.. desculpa irmãos

    ResponderExcluir
  17. O Pessoal vão não estão esquecendo de algo ? Quando a Biblia diz pra não ter associação , isso não quer dizer somente pessoalmente, mas sim de todas as maneiras e por esse canal voces estão conversando com desassociados........quem irá prestar ajuda e dar conselhos a eles são os anciaos.......

    ResponderExcluir
  18. As mudanças são pelo século assim como o século são pelas mudanças. Pelo que vi uns dos objetivos da mudança nas reuniões é fazer com os irmãos passem a estudar mais a fundo a bíblia. De uns tempos pra cá deixou de dar ênfase ao estudo da bíblia como antes. Talvez se lembrem daqueles estudos profundos que tínhamos, profecias de Zacarias, as visões de ezequiel, e os muitos e agora extitos, tipos e antitipos. Tudo isto aconteceu naturalmente devido ao século; muito pessoal, emotivo, familiar, e psiquico. Imagine um sujeito com a cabeça cheia de problemas estudando a bíblia pela sentinela profecias profundas de Zacarias; de modo que passou-se a tornar as coisas mais prático e demandador aos problemas de cada um. Porém, o que da pra perceber é que o conhecimento mais profundo ou até o básico da bíblia diminui. Por isto acredito que estas reuniões tentarão fazer com que aquelas profundas pesquisas que fazíamos voltem. Acredito que elas sao importantes não só para um melhor embasamento biblico, mas para o edificamento da fé, porém de um modo como temos visto a cada dia a organização se fazer, de modo prático.

    ResponderExcluir
  19. Um adendo ao anônimo de 20-11-15 13:15. Quanto a informar que não se deve participar do blog quando ele mesmo burla a regra da torre. Mas, a verdade é que a própria bíblia não relegou o expulso de Corinto ao ostracismo, bem como ele não teve um tribunal inquisitório as portas fechadas como acontece hoje. A torre se esquivou de explicar o texto de 2 Cor. 2:6 (Essa censura da parte da maioria é suficiente para esse homem.) Evidentemente aquele homem não havia sido deixado ao ostracismo, por isso, não sabemos bem como foi o modelo de expulsão que ele sofreu, pois o versículo deixa claro que alguns não censuraram tal homem.
    Mas, hoje ocorre um modelo muito duro de tratar o expulso. Em certa reunião um viajante disse que caso um ancião esteja a dar assistência a um pai doente desassociado ele corre risco de perder seu privilégio. Achei aquilo esmagador e sei que não era bíblico.

    ResponderExcluir
  20. Prezado Sincero Costa, a expulsão do homem de coríntios foi uma deliberação feita pelo próprio apostolo Paulo. "Um homem está vivendo com a esposa de seu pai", o fato era notório e até então nada havia sido feito, talvez houvesse duvidas em relação ao que fazer, ou como tratar destes casos já que a congregação estava em sua infância. Paulo inspirado delibera o que fazer: "removei" e "nem sequer comam com tal homem". O homem seria excomungado e perderia o contato intimo com os irmãos. Este ato era duro, porém necessário. O apostolo reconhece isso pois ele diz: "para ver se vocês dariam provas de que são obedientes em todas as coisas" (2Cor. 2:9). Assim sendo, a censura ocorre neste contexto. o fato é: aplicariam ou não a censura? A maioria foi favorável e ela foi aplicada. A maioria foi obediente, quer da comissão, quer da congregação. até hoje é assim, como acredito que saiba. Em relação a haver uma comissão basta o que está escrito: "Tomai nota" quem toma nota? você deve saber. Veja o que Paulo disse em 2 Cor. 12:21.

    ResponderExcluir
  21. (Cor. 12: 21) Quando o apostolo fosse visitar a congregação mais pessoas teriam sido desassociadas. Veja que antes ele disse como talvez ele encontraria a congregação(verso 20), e depois os que ele não encontraria: "que anteriormente pecaram e não se arrependeram"... "QUE PRATICARAM"(final do verso). "praticaram" aonde? dentro ou fora da congregação? É óbvio que seria dentro da congregação. A ação estabelecida na bíblia para todos os que praticam sem arrependimento o que foi descrito em 1 cor. 5: 11, e 1 cor. 6:9-11 é a desassociação. Infelizmente, porém muitos irmãos por não estudarem tem um conceito desequilibrado sobre desassociação. o indivíduo deixou de ser irmão e não ser humano. A culpa não é da "TORRE". pelo contrario tem um artigo que se chama: "mantenha um conceito equilibrado sobre desassociação", nele estabelece o ponto de vista equilibrado que devemos ter em relação aos desassociados. se infelizmente alguns irmãos não agem segundo o espirito de cristo então recomendo que leiam a sentinela e que estudem mais.

    ResponderExcluir
  22. Caro Lugão, é evidente que existe um exemplo corretivo na bíblia registrado em 1 coríntios 5, como tema do empecilho levantado. O modelo de expulsão na sociedade (associação) foi intensificado e padronizado na década de 50. (Anuário 76/pp.225-6). A partir daí, tribunais às portas fechadas são recorrentes em todas as congregações, para se julgar o réu infrator.
    O caso bíblico em pauta se tratava de “impenitente fornicação de um homem com sua madrasta”. (1Cor. 5:1) Diante disso, Paulo exortou a censura e expulsão de tal homem da congregação, mas deve se levar em conta o que significaria de fato tal “censura” e “remoção” daquele homem. Em primeiro ponto, com já posto houve uma censura por parte de maioria, mas não todos. Contrapondo ao seu argumento de que a censura seria no contexto de se mostrar obediência em aplicá-la, o relato evidencia que Paulo já falava de um acontecimento anterior ou a censura já aplicada por maioria desde a ordem de expulsão do homem iníquo na 1ª carta. A Watchtower em um artigo deu um raso comentário sobre esse texto:

    O apóstolo recomendou perdoarem a este homem, porque a “censura da parte da maioria” havia servido à finalidade intencionada em fazê-lo arrepender-se. (2 Cor. 2:6) W78/15/6p21

    Mas, note que não abrangeu a sua importância contextual, quando pode se concluir que então algumas pessoas não consideraram a censura ou não o repreenderam nem talvez tenham deixado de ter alguma mínima convivência com ele. É notório considerar também o termo de “remoção” no seu contexto:

    “Mas, eu vos escrevo agora para que cesseis de ter convivência com qualquer que se chame irmão, que for fornicador, ou ganancioso, ou idólatra, ou injuriador, ou beberrão, ou extorsor, nem sequer comendo com tal homem” (1 Cor. 5:11)

    ResponderExcluir
  23. Paulo advertiu que um ‘homem iníquo’ ou impenitente adentrado na congregação não estava a respeitar o principio bíblico, e por isso precisava ser disciplinado, e Paulo reforçou que os praticantes do pecado deveriam ser expulsos. É relevante aferir ao termo grego usado por Paulo (1Cor. 5:1) (me sy•na•na•mí•gny•sthai) também usado novamente por ele em 2 Tes. 3:14,15, basicamente significa nos dois casos “não vos mistureis com”, mas traduzido na NM com algumas variações nos dois versos distintos. Por isso, deixo um adendo ao se “tomar nota” que significava não desprezar o ‘desobediente’ mas tentar recuperá-lo por conselhos bíblicos, e nesse caso ele seria ainda irmão mesmo assim. A sociedade diz que o episódio de Tessalonicenses seria diferente, quando se tratava de um pecado ‘menos grave’. De qualquer forma nos dois casos Paulo não dizia que deveria se evitar dirigir a palavra a tais pessoas, mas antes não se misturar, que pode também significar ‘companheirismo habitual e convivência intima. ’ É provável que o homem de Corinto talvez ainda pudesse ser admoestado por alguns.
    Podemos colocar algumas situações antagônicas da atualidade para se entender o modo duro dispensado ao desassociado. Por exemplo, digamos que ele após sua desassociação já tenha abandonado seu proceder e voltado às reuniões, poderia ele ser enquadrado no texto 5:11? Evidentemente que não, pois ele não seria mais ‘beberrão, extorsor ou fornicador, como posto por Paulo. Mas, mesmo assim ele seria visto com olhares de desconfiança até conseguir pelo árduo caminho sua readmissão oficial.
    Não discordo que os casos sejam tratados pelos corpos de anciãos. No entanto, com respeito a um tribunal secreto, é precioso lembrar que o réu está muitas vezes agoniado, pelo seu erro e ainda por enfrentar uma junta de juízes, o que o torna incapaz em muitos casos, uma vez que ele não tem defesa e muito menos terá acesso ao seu veredicto,isto é a carta s-77, agora enviada eletronicamente para o escritório. Em grande parte de julgamentos, muitos tem sua privacidade invadida quando alguns anciãos de forma sagaz fazem escrutínio desnecessário sobre detalhes muito íntimos do pecado cometido, e pior ainda quando se trata de mulheres a frente de juízes a relatar esses casos.(Contraste Ks 91 pp111,112)
    Pelo protocolo mecânico dá-se ao réu o prazo de 7 dias para recorrer caso ache que houve injustiça no seu julgamento, mas nem todos se valem desse direito, alguns por despreparo ou medo de tentar uma afronta ao corpo julgador, e mesmo quando se recorre geralmente a decisão inicial é mantida, a menos que seja escancaradamente uma julgamento errôneo.
    Quanto ao artigo que foi citado “mantenha um conceito equilibrado sobre desassociação”, parece se referir a uma antiga Sentinela 15/11/74 que trazia de fato uma avaliação mais moderada sobre o tratamento aos desassociados. Inclusive considerou-se que não seria inconveniente que se tivesse tratos com parentes desassociados mesmo os que não morassem sob mesmo teto, como reza em síntese certo parágrafo:

    ResponderExcluir
  24. (21) Quanto a membros desassociados da família (não filhos ou filhas menores), que moram fora do lar, cada família terá de decidir até que ponto mantenham associação com tais. Não é algo que os anciãos congregacionais podem decidir por eles. O que interessa aos anciãos é que o “fermento” não seja novamente introduzido na congregação pelo companheirismo espiritual com os que foram removidos por serem tal “fermento”. Assim, quando um progenitor desassociado visitar o filho ou a filha, ou for ver os netos, e se lhe permitir entrar no lar cristão, NÃO É ISTO DE INTERESSE PARA OS ANCIÃOS. Tal pessoa tem o direito natural de visitar seus parentes consanguíneos e a sua prole. De modo similar, quando filhos ou filhas honram um progenitor, embora desassociado, por visitá-lo para ver como está passando ou quais as necessidades que possa ter, este ato em si mesmo não é companheirismo espiritual. W 74/15/11/ p691
    Talvez não saiba do impactante efeito que tem as palavras do CG sobre os adeptos, tanto foi que após a promulgação desse artigo algumas famílias reataram laços com parentes desassociados com quem não se falava mais. No entanto, as rédeas voltariam a ser apertadas quando novo artigo viria para recuperar a posição tradicional mais severa. A Sentinela 15/4/88 p. 28 diz o seguinte em parte:
    A situação é diferente quando o desassociado ou dissociado é um parente que vive fora do círculo familiar imediato ou no mesmo lar. Poderá ser possível ter quase nenhum contato com tal parente. Mesmo que houvesse alguns assuntos familiares que exigissem contato, este certamente ficaria reduzido ao mínimo, em harmonia com o princípio divino: “[Cessai] de ter convivência com qualquer que se chame irmão, que for fornicador, ou ganancioso [ou culpado de outro grave pecado], . . . nem sequer comendo com tal homem.” — 1 Coríntios 5:11. W88/15/4p28
    Outro artigo foi mais além quando ameaçou outros irmãos que por ventura descumprissem a regra de evitar os desassociados:
    Mas, se não deixar de se associar com a pessoa expulsa, ele se torna assim ‘partícipe (apoiando ou compartilhando) das obras iníquas’ e terá de ser removido da congregação, expulso. — Tito 1:13; Judas 22, 23; 2 João 9-11. W81/15/12 p20-2
    Observe que nesse último caso adaptou-se forçosamente o texto de 2 João para justificar tal ação mais rígida. Mas, o texto não deveria ser extensivo aos desassociados que haviam saída da congregação por fraqueza ou erros cometidos, e Judas aludiu ao anticristo, e a própria Sentinela de 74 admitia isso. De qualquer forma novamente se passou a evitar qualquer convivência com parentes desassociados e em situações mais dramáticos até em casos de falecimento aconteceu um episódio em que uma desassociada não foi contatada sobre a morte da mãe e só ficou sabendo disso após o seu enterro. Em assembléias recentes o viajante de um circuito ratificou com certo fervor o ostracismo que deve ser dispensado aos parentes desassociados, ao relembrar que um ‘simples oi’ deve ser evitado.
    É patente o desencontro de artigos, e um remendo cosmético na situação. Não se sabe por qual motivo de bastidores se revogou o artigo que você sugeriu, por isso parceiro o “nó apertado” vem de cima pra baixo. De qualquer forma o padrão de liderança estabelecido isenta o CG de qualquer crítica, pois é proibido questionar, e as testemunhas em maioria ‘aceita’ tudo que o CG diz com algo inspirado, quando o próprio CG admite não ser inspirado, mas falível. (vide W.15/8/81p.19)

    ResponderExcluir
  25. André, parabéns pela mudança no título do Blog:
    desassociados :mas amando a Jeová sempre.

    Aquele termo anterior (Desconstruindo) era aterrorizante rsrs. Espero ansioso pela notícia de sua readmissão.

    ResponderExcluir
  26. Isso que vc faz aqui nesse site, é perda de tempo...Vc acha que ama a Jeová falando desse jeito de sua organização e do Corpo governante? Não, Jeová não se alegra disso!! Q Jeová tenha muita piedade de que pratica isso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "
      Nunca pensei q esse dia chegaria.. Essa semana recebi o anuncio voltei e hj fui no campo Que está fora será bem recebido onde quer q esteja. Sempre frequente as reuniões uma hora vc vai conseguir"

      Recebi isso hoje de uma pessoa que foi readmitida. É pra ouvir isso que esse blog existe. Que Jeová te abençoe.

      AL

      Excluir
  27. Cesseis de ter convivência, os eviteis, repreenda publicamente, seja para vocês como homens da nações ou cobradores de impostos, são elementos conjuntos que estão na bíblia para nos levar ao que nela escrito está; parar de ter convivência, associação, e evitar o indivíduo, que peca gravemente sem arrependimento. é óbvio que cada caso tem uma natureza própria quanto ao que concerne o erro de cada um. Diotrefes, Hemineu, Fileto, e Alexandre são completamente diferente do jovem de coríntios. Este pecou pela carne e os demais pelo espírito, pelo espírito de soberba, de arrogância, e de rebeldia. mas um pouco de fermento leveda a massa toda, e era por isso que não se devia ter convivencia, e nem os cumprimentar. Todos receberam uma censura da maioria, que como no caso do jovem levou-o ao endireitamento, mas no caso dos outros a bíblia não diz, mas devido a soberba é bem provável que não. é sábio ter fé em Deus e em seus profetas, os que hoje são dirigidos pelo espírito santo tem dito o mesmo que em espírito disse o apostolo; o endireitamento do errado. nada hoje é tão importante quanto a santidade do nome de Deus e a defesa de sua soberania. todos aqueles aquém são repreendidos por uma censura da maioria incluído a dos profetas podem estar certos de que é pelo endireitamento, é através, e para o verbo. veja Rev. 3:19. tudo estará revelado e tudo ficará exposto, o relativismo de hoje é cócegas no ouvido, não produz salvação. rejeitar a disciplina é ser irracional, é duro como diz o sal. 88:18, mas produz frutos pacificados, perseverados, ajuizados, a prova de fogo, e purificados para o dia da inspeção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece que o anônimo acima, despercebeu o cerne da discussão com o Lugão que não se manifestou mais. Não disse que discordo do modelo bíblico de expulsão, mas sim do padrão rigoroso implantado por homens e que lamentavelmente levam alguns expulsos a traumas psíquicos e há até casos de suicídio por parte de desassociados. É certo que o padrão estabelecido pela torre foge ao contexto bíblico no que tange ao ostracismo dispensado aos desassociados. O termo grego aplicado ao homem de corinto foi o mesmo do homem em Tessalonicenses, e nos dois casos não se dizia que não se poderia cumprimentar esses ou dirigir a palavra a tais, como você distorceu em seu comentário. Não quero ser redundante, mas se faz necessário reafirmar meu argumento acima. Como já postado a própria torre admitia aliviar a barra para parentes desassociados, mas depois ela voltou atrás e endureceu a regra baseada na normativa humana. (W 74/15/11/ p691). Para não delongar muito, digo que há mais de 45 anos a torre já sabia que o episodio de Corinto não se referia a um ostracismo como é feito hoje. Em uma reunião secreta do corpo governante o chefe da redação na torre Karl Adams, havia enviado um aviso para o então presidente N. Knorr sobre a necessidade de se reconsiderar as regras da desassociação. Abaixo segue um resumo desse documento:

      “Temos considerado que Mateus 18:17 refere-se a desassociar. Jesus disse que quando o homem envolvido se recusa a “escutar a congregação”, devemos considerá-lo “apenas como homem das nações e cobrador de impostos”. O que significa isto exatamente quanto à ação que devemos tomar para com tal pessoa desassociada? Os judeus não recusavam totalmente tratar com tais pessoas, nem recusavam falar com elas. Em relação a Mateus 18:17, seria útil considerar 2 Tessalonicenses 3:6, 14, 15, bem como 2 Timóteo 2:25, 26 e Tiago 5:19, 20. Nesses textos, especialmente os dois últimos, usam-se expressões fortes. Fala dos que estiveram no “laço do Diabo”, foram “apanhados vivos por ele para a vontade deste”, “desencaminhados da verdade”, talvez tendo “uma multidão de pecados”, e no entanto, parece implícito que havia liberdade de fazer o que pudesse ser feito para admoestar e recuperar estas pessoas. Não deveríamos estar fazendo o mesmo hoje? Não é preciso ter com elas associação íntima ou amigável que implique em aprovação de suas transgressões. O verbo grego usado em 2 Tessalonicenses 3:14 na expressão “parai de associar-vos” é a mesma palavra usada em 1 Coríntios 5:11 (“cesseis de ter convivência com”). Este último texto é o que temos aplicado a pessoas que desassociamos ou com quem ‘cessamos de ter convivência’. Mas 2 Tessalonicenses mostra que cessar de ter convivência com alguém não exclui admoestá-lo, e portanto, falar com ele. Se dissermos que, por dar admoestação bíblica ou repreensão a eles, somos culpados de companheirismo espiritual com eles, não significaria isto também que quando testemunhamos às pessoas de diferentes credos (até clérigos) estamos tendo companheirismo espiritual com eles? É o nosso conceito realmente determinado por estes textos, ou estaremos lendo neles uma rigidez maior do que eles dizem?”

      De forma que a torre já sabia que evidentemente tanto o homem de Corinto como de Tessalonica ainda eram abordados por alguns e também eram admoestados a retornarem para o caminho cristão, ou seja, algumas pessoas dirigiam palavras a esses homens, por isso, o padrão de ostracismo da torre não tem suporte bíblico.

      Excluir
  28. Querido irmão costa, não é possível saber exatamente como era no passado a desassociação simplesmente porque nem eu e nem você estávamos lá para saber como era. é como tentar descobrir como era executado exatamente a tocata em fuga em ré menor de bach, não sabemos, não existia aparelhos de gravação naquela época.(sem falar na autoria, que é questionada se foi mesmo de bach)mas a base é a mesma, a sonoridade da musica é inconfundível, e ninguém deixa de ouvir a obra por causa desses aspectos irrelevantes perante a grandeza dela. é pertinente ainda dizer que mesmo se tentássemos metodicamente repetir o fenômeno das boas novas do primeiro século hoje seria impossível. basta ver o que os neo pentecostais fizeram com o pentecostes, é pífio, é patético. outra coisa meu irmão não existe nas escrituras detalhes minuciosos de como era ou tampouco devesse ser em relação a quase dois mil anos depois. mas como ilustrei no exemplo acima nós ainda temos as bases. compete a nós entendermos que o espírito ainda fala às congregações e que o que foi predito para o tempo do fim foi aquilo que é completo em termos de boas novas, isto é o amor. Jesus disse em Rev. 3:19 que repreende aquele aquém ama, o que é completo chegou, será que este modelo que temos hoje com base na bíblia reiterado por homens dirigidos pelo espírito não é compatível ao amor que existe na organização e a necessidade que temos de receber a disciplina de Jeová em uma época tão pecadora? a disciplina que me refiro é tal como é hoje. repare que na primeira resolução apostólica ou no "primeiro concilio" deixaram fora o sábado e a circuncisão que eram muito importantes para os judeus, estas decisões foram tomadas por homens in doutos e comuns, imagine o quanto não foram questionadas naquela época pelos fariseus convertidos? mas como a bíblia diz na medida em que foram recebendo e aderindo as decisões as congregações prosperavam. assim meu amigo com as bases lançadas e com a edificação da obra estando pronta podendo evidentemente sofrer possíveis reajustes, e não há nenhum problema com isso pois a base é a mesma e a prova de fogo, e é isso o que realmente importa, vou deixar dois textos para meditação, um é sobre a dureza da desassociação no salmo 88;18 e outro é o desejo sincero de voltar que é o salmo 102: 14. um forte abraço irmão!

    ResponderExcluir
  29. Boa tarde, pra falar a verdade vi o último post a vários dias, mas não queria me manifestar mais, uma vez que nenhum dos últimos se relacionou com os questionamentos supra citados.Mas, acho melhor encerrar aqui, do que ficarmos com argumentos circulares, e que Jeová tenha misericórdia de todos nós e julgue com sua justiça a todos.

    ResponderExcluir
  30. Olá, no estudo da sentinela da semana novamente a torre usou 2Jo 9-11 para se referir a parentes desassociados, mas é claro que o verso 7 diz que o contexto se referia ao anticristo.(contraste com (W 74/15/11/ p691). Isso, não caberia para um expulso que ama a Jeová e tenta voltar. (aceitamos como fantoches toda virgula da torre).

    ResponderExcluir
  31. O grande problema que vejo hoje é que por mera fraqueza e não por maldade ou subversão, um indivíduo peca, e imediatamente é desassociado. Isso tem me deixado preocupado. Mas, acredito que, qualquer desarrozoabilidade será compensada por Jeová!

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.