sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

'ESTOU GRÁVIDA!'

Nossa, quase seis meses sem postar alguma coisa. Assumo que escrever, algo do qual sou fanático, tem sido irrelevado por mim. Em parte devido as mudanças que vem ocorrendo em minha vida, especialmente, nos últimos cinco meses onde decidi levar algumas coisas mais à sério. 

E lá vamos nós, estou na quarta congregação desde que fui desassociado. Entrando, me apresentando, e saindo, sem deixar saudades, afinal, ninguém me conhece mesmo. Tirando a primeira congregação, onde frequentava com minha família, e por isso, o apoio neste sentido nem se compara, essa última tem sido uma congregação fantástica. Recém dividida, são poucos irmãos, incrivelmente cada um preocupados em seguir suas carreiras cristãs, e pra mim, o mais importante, uma congregação onde vejo poucas bobagens ditas da tribuna. 

Bobagens, leia-se, opiniões pessoais, sem nenhuma base bíblica, se aproveitando dos hiatos deixados pelos esboços de tópicos. Sou a favor dos esboços manuscritos para os que gostam de inventar opiniões. Admito que 4 anos afastado, me deixa 4 anos sem informações relevantes dos bastidores. Tenho apenas os esboços de cerca de 50 discursos, e muitos deles,  da época onde o discurso era de 45 minutos. Queria muitos os esboços novos, mas olhando por um lado, isso é bom, me torno menos crítico na ignorância dos fatos. 

Decidi escrever hoje porque o texto diário me chamou à atenção. 

"[Bate Seba] mandou informar Davi e disse 'Estou grávida'" 
- 2 Samuel 11:5

Pensa só. Davi cometeu dois crimes considerados graves segundo a Lei Mosaica. Assassinato, neste caso como mandante, e Adultério. Hoje em dia seus crimes teriam outros agravantes. Mas foi perdoado. 

"O Deus Todo-Poderoso conhece a verdadeira atitude e motivação por trás dos pecados. Em vez de permitir que os adúlteros Davi e Bate-Seba fossem condenados à morte por juízes humanos segundo a Lei mosaica, o próprio Jeová interveio e os julgou, estendendo-lhes misericórdia." - W12 15/11


Não existe perdão na Lei dada à Israel. Deveriam ser mortos apedrejados, e os juízes não estariam sendo injustos (sic), afinal, é a Lei.

Pena que hoje em dia muitos não tem a mesma sorte de se livrar dos juízes humanos e ser julgado diretamente por Jeová. Vejo muitas histórias que me são relatadas por emails, e mesmo que parte delas seja tendenciosa ao vitimismo, no fundo, todas tem uma coisa em comum. Eram de pessoas que cometeram erros por serem imperfeitos, mas não queriam deixar de ser Testemunhas de Jeová.

Sei que muita coisa mudou hoje em dia. O Escravo tem dado muitas e muitas orientações sobre o cuidado que se deve ter ao dirigir uma Comissão Judicativa, mas uma coisa é trabalhar a mente de jovens anciãos da cidade grande que estão mais propensos a serem mais liberalistas; chato é mudar a cabeça de anciãos que insistem no conservadorismo. Infelizmente as piores histórias vem do interior desse nosso Brasilsão.

Davi teve outra sorte, pois Jeová nem levou em conta o crime da presunção. Todos que são desassociados não entendem, especialmente os que cometem fornicação, o por quê de tantas perguntas inquisidoras. Certa irmã me relatou que teve a impressão de que os anciãos estavam se deliciando em saber quais eram as posições ou os lugares em que havia feito sexo. A história que eu ouvi de um ancião é que a depender de como as coisas aconteceram, poderia se analisar se foi um pecado presumido ou se foi um caso de "a carne é fraca". Irmãos!!! Vocês precisam transar. É sério!!! E por isso mesmo, casos de fornicação deveria ser tratado apenas por anciãos casados. Sexo é sexo. Ou fez ou não fez. 

Sinceramente não acho que se a pessoa fez no motel ou na cozinha de sua casa faça alguma diferença. Se o papai-e-mamãe torna o sexo menos leviano do que a garota que se deixou levar por algumas posições do kama sutra. Não vou entrar nem na questão do machismo. Julgar esse tipo de coisa é muito complicado. Esse foi um dos motivos que me levou a recusar a designação para ser ancião certa vez. Muitos estão preocupados com o status, eu estava preocupado com o sangue que eu poderia levar em minhas mãos.  

Enfim, espero que muitos dos que foram desassociados nestas circunstâncias consigam se recuperar do choque da humilhação e situações constrangedoras a que são colocados, e entreguem sua alma à Jeová. Quando falo de humilhação não estou me referindo ao fato de ser ignorado pelos irmãos ou estar no Salão no canto onde as pessoas fingem que você não está ali. Isso é fichinha. Me falo a humilhação de ter que passar por uma comissão judicativa onde alguns anciãos esquecem que estão ali para ajudar, julgar, mas com amor, e sim, tentar recuperar o errante, e não com a atitude de querê-lo jogá-lo aos leões o mais rápido possível. Esquecem que se a "trombeta der um toque incerto", o sangue daquela pessoa estará em suas mãos. - 1 Cor.14:8 

O estudo "O que o perdão de Jeová significa pra você" deveria ser livro de cabeceira para todo ancião, especialmente, os que lidam como membros de uma Comissão Judicativa.


19 comentários:

  1. André Lago, por favor, aceite a minha sincera opinião a respeito dos seus posts.

    Mudou de congregação 4 vezes após a desassociação, o que indica a sua dificuldade em aceitar o arranjo de Jeová. Mais uma vez vc precisa inflar seu frágil ego de forma que fica expondo assuntos internos da congregação nos quais os curiosos e estudantes da Bíblia com a fé incipiente poderão ter a espiritualidade prejudicada. Vc não se tornou um ancião porque não tem qualificação para tal... seu coração é apóstata e você sabe muito bem disso. Com certeza sua culpa de sangue é grande.

    Respeitosamente,

    Magno

    ResponderExcluir
  2. Né não, cara! É que o contrato de aluguel vence e aí tenho que mudar. Gostaria de continuar na mesma congregação, mas se soubesse como as cidades-satélites de Brasilia são longes umas das outras, me entenderia.

    Cara, estamos na era da internet, onde todas as informações deixam de ser anônimas. Não rola mais aquela de "olha, meu filho, compra cerveja, mas traz escondido pra ninguém ver". Estamos na era do Google, na era do JW.ORG.

    Entendeu o que quero dizer?


    Que Jeová te abençoe.

    ResponderExcluir
  3. Nesse ponto vc tem razão, mas tenha cautela. Não aja por impulso.

    Abraços!

    Magno

    ResponderExcluir
  4. Beleza, Magno. Mas eu não me tornei ancião, por que eu não quis mesmo. Minha recomendação chegou no dia 06 de maio de 2009; eu era servo ministerial, e recusei. Disse que não queria servir como ancião. ;)

    Quanto ao apóstata... pesquisa sobre eles no Estudo Perpiscaz e diga em qual eu me qualifico. Lembra cara, quem julga é Jesus Cristo.

    Fica com Jah

    ResponderExcluir
  5. Olá André tenho me questionado se realmente deveria ter aceitado entrar na organização. Te mandei um email uma vez. Meu marido ficou desassociado por 8 anos e voltou dia 20/05/14 comecei a estudar virei publicadora fiquei firme por 1 ano dentro da congregação. Vi muitas coisas erradas uma delas é q nunca fomos aceitos nessa congregação vi pioneiro e servos fazer coisas pesadas tentei não me deixar corromper e servir a Jeová a todo custo. Até q me tornei vítima deles aconteceu um fato no qual fui acusada dentro da minha casa chamei o anciao mais novo e tivemos a informação do q era p ser feito e a orientação era p conversar com os envolvidos e encerrar o assunto pois dentro da congregação tem q ter paz. Minha instrutora é o marido dela servo e instrutor do meu filho falaram não sei o q p anciãos q rapidamente afastaram elês de nos inclusive fomos até negados p ter estudo. E sumiram todos anciãos irmãos todos! Tem quase 1 mês não vamos às reuniões e não somos mais procurados e evitados na rua. Então te pergunto o q faço? E que poder esse povo tem de julgar a vida dos outros?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentando o acima. E fato q temos de lutar com a imperfeicao humana porem sera q isso e motivo valido para abandonar a congregacao? Sera cara amiga q 100% dos membros da fraternidade lhe ofenderam,mesmo q fosse esse o caso jeova nao deveria ser penalizado pelo erros dos outros.
      Espero q vc e sua familia se recuperem logo.
      Alguns textos para reflexao. Col 3:13.1co13:4-8.
      Lembre-se nunca teremos uma opcao melhor!

      Excluir
  6. Qual é o objetivo de você expor os assuntos internos da congregação? Se isso não é apostasia, eu não sei de mais nada.

    Não vou me identificar porque isso é vergonhoso demais para mim, mas a minha consciência iria me incomodar caso eu não me prontificasse.

    ResponderExcluir
  7. Não, não é. Pode ser no máximo um caso de dedudurismo, mas levando em consideração que não aponto nomes, ainda pode haver recurso.

    Volte 3 casas, faça um estudo pessoal sob o tema Apostasia. ;)

    ResponderExcluir
  8. Indubitavelmente, certos detalhes são desnecessários para a construção de uma visão das circunstâncias que permita uma avaliação realista do ocorrido. A Associação tem dado muita orientação em anos recentes de como proceder e abusos têm diminuído. Evidentemente, julgamento humano perfeito é impossível, mas seguindo as diretrizes corretas, com humildade, considerando cada caso como único e deixando de lado os "preconceitos", há boa possibilidade de combinar a decisão com aquilo que Jeová e seu Filho veem. [Agora, André: Esse tempo todo sem você postar me deu a esperança de que você havia sido readmitido e estava dando um tempo nessas discussões e apresentações de assuntos que assanham os tolos e que não são mais do que palavras para os demais. Tenho muito amor por você. Abração.]

    ResponderExcluir
  9. Minha pequena opinião é que infelizmente algumas atitudes de alguns anciãos impede que outros se aproximem, tanto novos como alguns que estão desassociados. Conheço pessoas que não se aproximam da Organização por causa de julgamentos e opiniões pessoais de anciãos.

    ResponderExcluir
  10. Confesso que religiosamente tenho visitado seu blog pra saber se você voltou. Me identifico com você, pois eu sou realista! Realmente não somos perfeitos, mas a Org. Têm que se diferenciar das outras religiões. Eles tentam ao máximo fazer com que os anciãos julguem de forma amorosa, mas tenho percebido também que alguns jovens abusam disso. Olha André sei que você ama a Jeová! Jeová não se limita a uma organização, mas tenha certeza que Jesus está apoiando as Tjs para elas viverem uma vida integra. Se queremos ser rebeldes agora, no novo mundo não teremos chance! Essa é a realidade, a org. Está ai pra ajudar você a se levantar. As verdades bíblicas você ja sabe, agora falta querer parar de ser teimoso! Rsrs...
    Olha.. Eu também não faço tudo 100%! Ninguém faz, mas fora da org. Vai ser muito mais difícil manter integridade. Lembre-se de Provérbios 24:16: 'O justo talvez caia até mesmo sete vezes, e ele se há de levantar.'
    Abraço irmão!

    ResponderExcluir
  11. sou tj a 30 anos, e aprendi uma coisa, os conflitos internos sempre foram e continuam sendo motivo de teste de fé.Cabe a nós individualmente não nos permitir seer afetados a ponto de,como diz vc mesmo andré, se essa não e religiao verdadeira,não sei mais qual?

    ResponderExcluir
  12. Olá, participo do blog pois acho que seu brio André deve ser ressaltado, pois as TJ não tem a sua coragem de se identificar de peito aberto sem pseudônimos, pois conhecemos bem a política ditatorial da Torre. Quanto a questão de expulsão não sei se mudou tanto, embora é verdade que hoje tem um pouco mais de bom senso e misericórdia com o errante. Mesmo assim, acho que a linha é muito dura em muitos casos, onde certos anciãos dogmáticos e severos fazem inquisições para “descobrir” se o errante agiu por “fraqueza ou iniqüidade”. Nada haver, pois esses misturam alho com bugalho. O caso citado de Davi, (ainda bem que está registrado na bíblia), é o maior exemplo de que certas comissões agem de forma despreparada e sem embasamento. Em vez de tentarem “descobrir” se o errante foi ‘iníquo’ eles deveriam tentar recuperar tal ovelha perdida. Algumas perguntas intrigantes que deixaria aqui para algum irmão ou ancião anônimo seria: Foi o pecado de Davi premeditado ou não? Ele foi enquadrado em adultério, presunção e homicídio não é mesmo? Jeová investigou os detalhes do erro para ‘prever’ a iniqüidade ou fraqueza de Davi ou julgou o caso após a reação posterior de Davi?*
    *uma dica para a resposta 2Sam. 12:13.
    Muitos réus sem defesa em comissões secretas foram expulsos de cara ou no seu primeiro erro dentro da cong. Muitos que talvez desejassem permanecer foram enxotados para fora por causa do julgamento ‘tendencioso’ onde o corpo “descobriu” que o errante agiu ‘iniquamente’ (favor relevar aspas). Posso citar pelo ao menos um, (mas há dezenas) onde em conversa posterior com um errante, ele me disse que havia se afastado por certo tempo e no ínterim se envolveu em fornicação, os anciãos foram na sua captura e na comissão inquisitória ele relatou sua queda. Perguntei se tentaram ajudá-lo, mas me disse que apenas decidiram segundo ele, em ‘veredicto’ que ele deveria ser expulso para passar por ‘uma disciplina’, após muitos anos fora ele consegui voltar. Mas, em pequena estatística que fiz conclui que talvez apenas 50% dos expulsos conseguem voltar. Acho que a política de expulsão deveria ser revista, pois muita desassociação se torna desnecessária, evidentemente pelo despreparo de anciãos, dos quais muito sem discernimento e pouca instrução tanto bíblica como secular, e pior ainda atuando na posição de juízes e executores da lei.

    ResponderExcluir
  13. Sincero Costa, o pior, é que o Livro dos Anciãos diz claramente como deve ser a postura nas comissões. O problema são as brechas que o livro dá, infelizmente, observo que muitos anciãos levam as coisas pro lado pessoal, sei lá, e por isso é que sempre recomendo a todos os desassociados a apelar da desassociação, afinal, uma segunda opinião sempre é bem vinda.

    ResponderExcluir
  14. Com certeza André, o manual traz corretamente as informações de postura em um julgamento, mas infelizmente como coloquei acima, ainda alguns não seguem a diretriz impressa ou se valem das brechas como você citou. Como brechas que podem ser rastreáveis no próprio manual onde diz: “Faça perguntas pertinentes e discretas para isolar as questões principais e determinar como ou por que se desenvolveu o problema” (Ks p.111). Nessa brecha alguns confundem as coisas e adentram a questões muito pessoais e íntimas. Mas, muitos deles despercebem que o manual ainda diz na mesma página: “Perguntas esquadrinhadoras não devem entrar em pormenores desnecessários, especialmente com relação à má conduta sexual” (Ks p.111).
    Quanto a réus que são expulsos desnecessariamente ou que poderiam ser ajudados, pode ser devido a negligência de informação que o próprio juiz desleixou no seu manual:

    “Muito embora o transgressor seja culpado de séria ofensa, os anciãos da comissão judicativa apercebem-se de que seu objetivo é, sempre que possível, recuperar os que caíram num proceder errado. (Judas 23) Se ele os escutar, demonstrando verdadeiro arrependimento, pode ser que se possa conservá-lo como irmão e assim evitar que seja desassociado . (Pro . 19 :20 ; compare isso com Mateus 18 :15-17.) Nem a gravidade do erro nem a má publicidade determinam em última instância se a pessoa deve ser desassociada; em vez disso, o fator determinante é o arrependimento sincero, ou a ausência dele, da parte da pessoa” . (Ks pp.112-3)

    Em minha opinião, a torre poderia modificar a forma de julgamento que ocorre secretamente, e o réu não tem defesa nem acesso a sua sentença, quero dizer os autos ou a carta que vai para o escritório. Poderia se estabelecer uma comissão com anciãos de maior nível de conhecimento talvez até em base não só bíblica como jurídica para avaliarem melhor todas as comissões em voga e opinarem nas decisões com maior embasamento. Talvez me questionem por sugerir um pouco de conhecimento jurídico. Mas, isso poderia sim ser relevante. Vou apenas citar dois pequenos casos para não ser exaustivo. 1) Certo irmão havia se envolvido em vias de fato com um vendedor de carro, quando ele concluiu que fora enganado por aquirir um veículo danoso. Os anciãos locais decidiram que ele deveria ser expulso o que de fato aconteceu. Mas, tal cristão foi amparado por anciãos externos de melhor equilíbrio e conhecimento que souberam do caso e o retomaram, e a comissão julgadora foi envergonhada, quando tiveram que readmitir a tal em menos de 15 dias. 2) Outra irmã foi expulsa por dirigir esporadicamente sem carteira. Embora não tenha melhor conhecimento sobre o proceder judicial, imagino que a comissão julgadora pode ter sugerido que ela poria a vida de outrem em risco, ou estava burlando a lei. Mas, um calouro de direito desqualificaria a acusação, pois ela não poderia ser acusada por um ato (crime) não cometido, a menos que ferisse alguém de fato, bem como nesse caso não se detectaria nenhum versículo bíblico nas escrituras gregas, que suportasse a expulsão de tal moça pelo ato supracitado. No, máximo ela deveria ser notificada por repreensão.

    ResponderExcluir
  15. Na posição de fanático por escrever, vc escreve muito mal

    ResponderExcluir
  16. Não entendi a colocação do anônimo acima: "Na posição de fanático por escrever, vc escreve muito mal."

    Por favor queira se expressar melhor.

    ResponderExcluir
  17. Olá, estou desassociado a 2 meses e não aguento mais, quer voltar, estou firme .. Mais a questão é o tempo, não sei quanto tempo preciso ficar fora, quanto tempo preciso receber essa disciplina, só sei que quero voltar o mais rápido possível !

    Tem algum tempo certo para enviar a carta?

    ResponderExcluir
  18. Anônimo, antes de tudo vamos cuidar dessa ansiedade. Se fosse fácil ser desassociado e voltar na outra semana, imagina o quanto de gente estaria desassociada só pra dar aquela lambida no pecado e voltar?

    Em média o retorno dura de 7 a 9 meses; vai depender principalmente de sua regularidade às reuniões. Nesse tempo você já pode enviar sua carta.

    Que Jeová te abençoe e boa sorte.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.