segunda-feira, 10 de outubro de 2011

POR QUE QUATRO EVANGELHOS?




O inicio das Escrituras Gregas Cristãs são formadas por quatro livros que contam a história do nascimento, vida, morte e ressurreição do prometido messias, Jesus Cristo. Cada um dos livros conta com uma ótica diferente, e estilo literário diversificado. Já se perguntou porque Jeová mandou escrever quatro evangelhos sobre seu filho?

Talvez a resposta esteja num princípio estabelecido nos dias de Israel. Para se comprovar um assunto importante, a Lei estabelecia que o servo de Jeová deveria apresentar mais de uma testemunha. O assunto deve ficar de pé pela boca de duas testemunhas ou pela boca de três testemunhas.” (Deuteronômio 19:15). Existe coisa mais importante do que a vinda do filho Unigênito de Deus à Terra? Por isso, Jeová providenciou não só uma, ou duas testemunhas, mas quatro!

Cada evangelista (evangelho significa "boas novas) apresentou a história de Jesus para públicos diferentes, visando abranger o maior número de pessoas. Jeová escolheu estratégicamente cada um dos biógrafos de Jesus para que sua história fosse preservada sob várias óticas, e mesmo com estilos literários diferentes, apresentasse um vívido, unificado e confiante relato sobre a vinda de Jesus. Você poderia até questionar um dos livros, mas teria que ter o politrabalho de questionar quatro livros.


EVANGELHO DE MATEUS


Escrito em 41 EC, ou seja, 8 anos depois da ascenção de Jesus ao céu, o livro relata desde o nascimento de Jesus em 2 EC até a reunião com os discípulos após sua ressurreição e ascenção aos céus. Marcos escreveu o evangelho direcionado especialmente aos judeus, devido a intensa referência às Leis mosaicas.

Mateus foi o escritor mais polêmico dos quatro por causa de sua profissão. Mateus era cobrador dos impostos do Império Romano, profissão esta que era abominada pelos judeus. Ele sofreu muitas resistencias da parte dos judeus quando foi convocado para ser apóstolo de Cristo. Resistências que incluía preconceito e ofensas. Mateus só descobriu o amor por meio de Jesus Cristo, desta forma, imagina como seria o estilo literário e os relatos de alguém que passou grande parte da vida sendo discriminado e odiado, e de repente descobriu que podia ser amado pelo filho de Deus!

Essa é a maior caracteristica do Evangelho de Mateus. Escrito com linguagem simples, Mateus se apegou aos mínimos detalhes da vida de Jesus, dando ênfase às obras de amor de Jesus Cristo e de ser requerer misericórdia, antes que sacrifícios.

O evangelho de Mateus é o mais completo de todos, é o que possui mais relatos de milagres e açoes de misericórdia. No livro de Mateus é onde o nome de Deus - JEOVÀ - é mais citado, cerca de 18 vezes, em relação as outros evangelhos. Cerca de 42% do relato de Mateus não consta em nenhum dos outros três evangelhos, o que o torna o mai completo de todos, e possivelmente por causa disso, foi colocado como o primeiro no Cânon bíblico. Somente em Mateus consta os relatos de pelo menos mais dez parábolas ou ilustrações: o joio no campo (13:24-30), o tesouro escondido (13:44), a pérola de grande valor (13:45, 46), a rede de arrasto (13:47-50), o escravo que não mostrou misericórdia (18:23-35), os trabalhadores e o denário (20:1-16), o pai e os dois filhos (21:28-32), o casamento do filho do rei (22:1-14), as dez virgens (25:1-13) e os talentos (25:14-30).

Como ele era cobrador de impostos, e por isso, lidava com finanças, Mateus era mais detalhista em relatar negócios e especificar valores e moedas. (Mat. 17:27; 26:15; 27:3)




EVANGELHO DE MARCOS.


Marcos escreveu seu evangelho sobre Jesus, inspirado por Deus, cerca de 20 anos depois que Mateus terminou de escrever o seu. Escreveu direcionado aos cristãos não-judeus, especialmente, os de Roma, por quase não mencionar a Lei Mosaica, por traduzir expressões aramaicas e não fazer nenhuma referência à genealogia de Jesus Cristo.

É o mais curto de todos, o que levou muitos especialistas a acusar injustamente que o livro seria um resumo de Mateus. Questonam, também, que ao contrário dos demais, Marcos não conviveu intimamente com Jesus Cristo como seu apóstolo, e portanto, o livro teria menos valor. Bobagem! Marcos era apenas um jovem discípulo quando Jesus esteve na terra, mas teve uma grande participação na divulgação das boas novas junto com os apóstolos, sobretudo, de Paulo e Barnabé. (Col. 4:10; Atos 12:25; 13:5, 13) Marcos estava com Paulo (c. 60-61 EC) durante seu primeiro encarceramento em Roma. (Filêm. 1, 24). Ele era tão importante que em sua última prisão, o apóstolo Paulo pede a presença de Marcos, “porque ele me é útil para ministrar”. (2 Tim. 1:8; 4:11).

O objetivo que levou Jeová a inspirar Marcos a escrever sobre Jesus talvez seja a necessidade de ter o relato de uma pessoa que não conviveu intimamente com ele, e portanto, um livro menos passional, direcionado aos romanos que ainda resistiam aos cristãos. Marcos não conviveu com Jesus, é verdade, mas possivelmente ouvindo relatos dos outros apóstolos como Pedro (1 Pe. 5:13).

Uma das principais caracteristicas do relato de Marcos que o distingue dos demais é o fato de ser descritivo quanto personalidades e reações. Ele mostra como Jesus se sentia e reagia a determinadas situações, por exemplo, que ele olhou “para eles, ao redor, com indignação, estando profundamente contristado”, que ele “suspirou profundamente” e que ‘gemeu profundamente com seu espírito’. (3:5; 7:34; 8:12) As principais características de Pedro, são registradas apenas por Marcos. É nele que sabemos que o apóstolo Pedro era impulsivo, vigoroso e descritivo. Marcos tem um esitilo literário mais descritivo, costuma usar muito a expressão "imediatamente", conduzindo a história num estilo mais dramático.

Marcos, embora resumidamente, está em plena harmonia com os demais evangelhos, e com toda a escritura sagrada.


EVANGELHO DE LUCAS


Lucas era médico. Jesus Cristo fazia milagres. É possível que esta tenha sido o principal motivo de Jeová ter inspirado Lucas a escrever o evangelho que leva seu nome. Dar aval médico aos milagres de Jesus Cristo. O evangelho foi escrito dois anos antes de Marcos terminar de escrever o seu, mas no cânon bíblico, ficou como terceiro. Lucas era historiador, o que torna seu evangelho o mais cronológico de todos. “Também eu, tendo pesquisado todas as coisas com exatidão, desde o início, resolvi escrevê-los para ti em ordem lógica.” (Lucas 1:3)

O evangelho de Lucas possui uma linguagem mais culta, possivelmente pela educação superior do Escritor. A descrição sobre o filho pródigo é considerada por alguns literários o melhor conto já escrito em grego. Mas é na medicina que Lucas se destaca. Ele usa cerca de 300 termos médicos, ou palavras que se atribui a sentido médico, que não são empregadas pelos outros evagelistas. Para eles, lepra é lepra, mas para um médico como Lucas há diferentes estágios de lepra, como no caso em que Lucas fala de “um homem cheio de lepra”. De Lázaro ele diz que estava “cheio de úlceras”. Sobre a sogra de Paulo, ele especifica que ela estava com febre alta, e não uma febre comum.

Embora tenha menos relatos que o de Mateus, Lucas trata a vida de Jesus de maneira peculiar. Segundo especialistas 59% do conteúdo de Lucas é ímpar. Ele registra seis milagres específicos que os outros não relataram e mais que o dobro de ilustrações que os outros evangelistas não mencionaram, sendo todos eles exatos, discritivos e ordenados cronologicamente. Por isso a cronologia é baseada, sobretudo, tendo o evangelho de Lucas como base.


EVANGELHO DE JOÃO


Este talvez seja o estilo literário mais diferente dos demais. Escrito em 98 EC, ou seja, mais de 60 anos após a morte de Cristo, e cerca de mais de 30 anos após os três primeiros evangelhos, entende-se que o objetivo de Jeová ao fazer o idoso apóstolo João escrever este último evangelho seja o de fortalecer os poucos Cristãos que ainda resistiam à entrada da prometida apostasia dentro das congregações.

92% dos relatos de João são suplementares, ou seja, informação nova. É o único evangelho que menciona Jesus Cristo antes de vir à terra, quando introduz notavelmente as com as palavras "no princípio era a Palavra..." (João 1:1-9) E ainda assim, é João que nos diz que após quatro evangelhos, "há, de fato, também muitas outras coisas que Jesus fez, as quais, se alguma vez fossem escritas em todos os pormenores, suponho que o próprio mundo não poderia conter os rolos escritos.” — 21:25.



Fonte: Livro "Toda Escritura"

6 comentários:

  1. Gostei muito do texto André! Parabéns! Não deixe de escrever...Abraços e fique sempre com Jeová. Eli.

    ResponderExcluir
  2. parabéns André pelo excelente post!agradeço por todos os comentários encorajadores que encontrei aqui,pois foi de extrema importancia para que eu continuasse a estudar a bíblia com as testemunhas de JEOVÁ,fico muito feliz de compartilhar este momento tão especial da minha vida,que foi descobri a verdade com pessoas tão fantásticas...desculpe más eu vou chorar!

    ResponderExcluir
  3. "desculpe más eu vou chorar!"? Não... essa música não. rsrsrs. Seja rebemvindo de volta Josemar.

    ResponderExcluir
  4. O evangelho de João apresenta alguma diferenças:interessa-se pouco pela biografia de Jesus e relata milagres que não aparecem nos outros três.o mais significativo é a ressurreição de Lázaro,atribuído ao Nosso Senhor Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  5. André.Voçê ainda está vivo mano ! Atualize seu blog, gosto de ver comentários seus e dos irmãos desassociados como eu.

    ResponderExcluir
  6. Sebastião Ramos é um exemplo de apóstata dos dias atuais,em 2008 foi desassociado por ter abraçado a apostasia.não satisfeito moveu uma ação contra dois ministros cristãos alegando"discriminação instigada"já que sua irmã,tj,o evitava.o caso,apesar de ser muito engraçado foi parar na justiça e não tinha lógica,até o desembargador que arquivou o processo não viu qualquer"discriminação".o homem não pode vençer uma luta com Deus e a luta desse apóstata era contra o Deus:Jeová e ele perdeu.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.