segunda-feira, 24 de outubro de 2011

EMPENHANDO PELA PAZ PELO EQUILÍBRIO

"Portanto, nenhum homem vos julgue pelo comer ou pelo beber,
ou com respeito a uma festividade ou à observância
da lua nova ou dum sábado."
- Col. 5:6



Uma das partes da carta aos Romanos escrita pelo apóstolo Paulo que eu mais gosto de ver considerada nas reuniões é o capítulo 14. Acho que o apóstolo Paulo, inspirado pelo espírito santo, faz uma descrição perfeita do que seja um ambiente de equilíbrio dentro de uma congregação. Paulo fala do equilíbrio que deve agir quando as Escrituras não estabelece um modelo específico para um comportamento. Existem irmãos mais sensíveis, e existem outros menos sensíveis. Segundo Paulo não existe alguém com mais fé, ou com menos fé, existe o irmão que por ter um bom senso baseado nos princípios bíblicos que sabe equilibrar as coisas. O sensível não critica a falta de metodismo do não sensível, e este por sua vez, não deve criticar o que talvez considere como zelo excessivo daquele que tem mais sensibilidade.

Nos dias de Paulo havia uma situação comum. Muitas das carnes vendidas nos açougues eram de gado que haviam sido ofertados em sacrifícios a deuses gregos antes. Dessa forma, criava-se uma contenda: alguns cristãos mais sensíveis achavam errado comer essa carne, então caçavam seu próprio alimento ou se tornavam vegetarianos. Contudo, alguns, menos sensíveis achavam um exagero, afinal, toda criação pertence a Jeová e não acreditavam que a carne bem preparada, cozida, e quem sabe, até dedicada a Jeová, não faria mal nenhum. Posto à prova, qual foi a resposta de Paulo?




"Quem come não menospreze ao que não come, e quem não come não julgue aquele que come,
pois Deus tem acolhido a esse.
Quem és tu para julgares o servo doméstico de outro?"
- Rom. 14:3,4



O que me deixa triste, contudo, é que mesmo que a informação estando clara no estudo da revista, lamentavelmente os irmãos - com a condecendencia dos dirigentes - sempre acabam pendendo para um lado, fazendo uma referência a "pedra de tropeço" mencionada no versículo 13. Da forma como se coloca, o tropeçável é sempre o mais sensível; mas será que os menos sensíveis também não podem tropeçar no zelo desnecessário do sensível demais? Acredito que Paulo estava mencionando isso; ele falava de equilíbrio.

No estudo da revista de ontem, um irmão comentou uma situação aonde um menino achava que ouvir reggae era errado. Entao ele foi na casa de um colega e ficou chocado ao saber que outro irmão ouvia reggae. Para não servir de pedra de tropeço para o menino, a mãe aconselhou o outro a parar de ouvir reggae. É isso que Paulo queria dizer? Vamos lá...




"...somente quando um homem considera algo como aviltado, para ele é aviltado.
Porque, se teu irmão, por causa do alimento, está sendo contristado,
não estás mais andando de acordo com o amor.
Não arruínes pela tua comida aquele pelo qual Cristo morreu.
- Rom. 14:14,15.



Observaram? Segundo Paulo o irmão que come a carne que antes havia sido oferecida a ídolos, porque a consciência dele permite, poderia ficar contristado com o julgamento do irmão que é sensível e acha que isso é errado. Em outras palavras, o menino ouvia reggae porque a consciência lhe permitia, mas ele poderia também ser contristado pelo menino que achava reggae errado. Se a atitude do reggae-boy fosse diferente, não seria condenável, afinal, era sua prerrogativa. Muitos irmãos passam despercebidos por este ponto de vista, porque na teoria, acreditamos que aquele que aparentemente tem mais "zelo", está mais correto do que aquele que supostamente tem menos "zelo". Neste caso não se condenará aquele que utiliza o seu direito de utilizar a liberdade cristã dada por meio da morte de nosso Senhor Jesus Cristo. Somente a ele cabe o julgamento.

Este é o princípio da sabedoria, este é o princípio do equilíbrio. Se todos nós vivêssemos a nossa vida sem fazer comparações, sem julgar as atitudes e comportamento dos irmãos que fazem coisas nós não gostamos (vale frizar o "nós", e não Jeová), talvez tivéssemos menos fofocas e tagarelice. Aos Colossensses Paulo menciona não julgar pelo "beber", "comer", "à respeito de uma festividade", "lua" ou "ao sábado". Pensem bem, o que você aplicaria isso a hoje em dia? Vestimenta, diversão, desenhos, jogos, atividades esportivas, enfim, várias coisas que fazem muitos tropeçarem pela língua ao questionar o próximo. Menos tagarelice, menos conflitos, e os anciãos teriam mais tempo para cuidar de assuntos importantes do que ficar intermediando futriquinhas.

12 comentários:

  1. Vc acha que se aplica a comer doce em dia de Cosme e Damião?

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto, devido a maneira de pensar diferente de uns e outros, tenho passado por períodos complicados na congregação.

    Tenho responsabilidades grandes no salão e a algum tempo atrás fui ao casamento de uma amiga que infelizmente ou felizmente estava casando-se com um estudante que faz progresso a algum tempo na organização.

    Acontece que embora tenha agido por aparente falta de critério neste caso, estou sendo questionado sobre minhas qualificações e só o tempo dirá o que ocorrerá.

    Tudo o que fiz antes parece que foi apagado e isto tem me deixado contristado demais, mas fazer o que?

    Só resta esperar!

    ResponderExcluir
  3. Rachel, acho que não. Pq naquela época as carnes eram vendidas em açougues e os irmãos compravam como alimento, não fazia parte do processo ritualistico, como envolve as balas de Cosme e Damião.

    ResponderExcluir
  4. Acho que ela quis dizer comer doces em dia de são cosme e damião, e não doces de são cosme e damião. Tipo, comprar doce e derepente um irmão acha que era de são cosme e damião.

    Achei o texto fabuloso, especialmente o aspecto de muitos darem a entender que não devemos fazer outros tropeçar, ou seja, deixar de ouvir certa música por que outros acham errado, e por que o outro lá não para de encher o saco pelo meu gosto musical. É assim mesmo, somos imperfeitos, mas eu já não ligo para o que os outros acham, antes para o que Jeová acha.

    Abraços para todos.

    ResponderExcluir
  5. não o que os outros veem,mas o que jeová ve no coração isso que vai determinar a passagem da pessoa para o novo mundo.

    ResponderExcluir
  6. gostaria de comentar sobre um blog apóstata que vi na internet.o logotipo do blogspot"extestemunha de jeová"anônimo(não mostra o autor do blog)diz combater a "intolerância religiosa"e "lutar pela liberdade religiosa"mas,na verdade todas as suas criticas são direcionadas para pessoas,que por serem rebeldes foram desassocias.pode-se notar,nas suas matérias,a intolerância inclusive nos comentários.não há a participação de testemunha de jeová para se defender,o que já caracteriza parcialidade e discriminação por parte do autor do blog.as matérias contém boa dose de falsidade,distorção dos fatos,que é umas das características dos apóstatas em suas ações desesperadoras.iguais a este blog,existem milhares de outros espalhados pela internet e isto é apenas um dos braços da grande apostasia.

    ResponderExcluir
  7. descobri o dono do blog extestemunha de Jeová,adivinha quem é? R:PASCOAL RELOAD,seguidor desse blog.olha a foto dele ai em cima.

    ResponderExcluir
  8. Como vai Josemar, andou meio sumido. Seja rebemvindo.

    ResponderExcluir
  9. algumas provações podem exercer um efeito prejudicial em nossa saude espiritual.mas uma vez jeová vem em nosso auxilio.a sua palavra nos assegura;jeová sustenta a todos os que estão caindo e ergue a todos os encurvados.sal.145;14.para nos ajudar a contra-atacar a doença espiritual,devemos procurar a ajuda de anciãos cristãos.tiago.5;14,15.e manter sempre em mente a esperança bíblica da vida eterna pode nos sustentar durante provas de fé.joão 17;3.A SENTINELA 15 DE OUTUBRO DE 2011 PAG 25 PARAG.11.OU SAITE WWW.JW.ORG.

    ResponderExcluir
  10. ao orarmos para ser livrados de uma cituação provadora,e sábio examinar nossas motivações.pensamos exclusivamente em nos livrar do problema ou mantemos em mente jeová e seus propositos.por causa do sofrimento pessoal podemos ficar tão absortos na nossa própria situação que a preocupação com assuntos espirituais fica em segundo plano.ao orarmos pedindo ajuda,focalizemos a mente em jeová na santificação de seu nome e na vindicaçãode sua soberania.isso pode nos ajudar a manter um conceito positivo mesmo que não venha a solução que esperamos.em alguns casos,a resposta as nossas orações talvez seja simplesmente precisamos continuar a suportar a situação,com ajuda de Deus.isaias 40;29 filipenses 4;13.a sentinela 15 de novembro de 2011 pag 7.ou www.jw.org

    ResponderExcluir
  11. ao orarmos para ser livrados de uma cituação provadora,e sábio examinar nossas motivações.pensamos exclusivamente em nos livrar do problema ou mantemos em mente jeová e seus propositos.por causa do sofrimento pessoal podemos ficar tão absortos na nossa própria situação que a preocupação com assuntos espirituais fica em segundo plano.ao orarmos pedindo ajuda,focalizemos a mente em jeová na santificação de seu nome e na vindicaçãode sua soberania.isso pode nos ajudar a manter um conceito positivo mesmo que não venha a solução que esperamos.em alguns casos,a resposta as nossas orações talvez seja simplesmente precisamos continuar a suportar a situação,com ajuda de Deus.isaias 40;29 filipenses 4;13.a sentinela 15 de novembro de 2011 pag 7.ou www.jw.org

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.