segunda-feira, 19 de setembro de 2011

APOLOGÉTICA

Desde que me tornei Testemunha de Jeová consciente, ou seja, aquela de entendimento que não se contenta apenas em receber leite dado pelos outros (compare com Hebreus 5:13, 14) comecei a ter meus primeiros atos apologistas. As Testemunhas de Jeová são apologistas por natureza, porque sempre estamos na luta da pregação diária mostrando que esse é o único caminho verdadeiro.  Como ex-evangélico, parte da minha iniciação na Organização era combater os ensinos falsos que eu havia aprendido, o que inclua falar com amigos e irmãos de minha ex-religião sobre o assunto. Uma vez me vi combatendo quatro amigos evangélicos que insistiam em tentar me "salvar".

O sucesso aparente com meus ex-irmãos, por assim dizer, me fez ter a falsa idéia de que podia combater a tudo e a todos. Por que dentro da Bíblia, não há como não defender a verdade. Contudo tinha meu primeiro viés quando fui conversar com um pastor, que conhecia algumas versões acusatórias de apóstatas, e fui apresentado pela primeira vez a foto do túmulo de Charles Taze Russell em forma de pirâmide e alguns símbolos relacionados supostamente à maçonaria. (Para saber mais sobre esse assunto e refutar acusações, leia meu post sobre Charles Taze Russell, clicando no link ao lado).

Fiquei atordoado. A idéia inicial foi achar que se tratava de uma montagem, uma mentira. Procurei nas publicações e não achei. Perguntei aos anciãos e fui repreendido de que devia parar de ouvir coisas de apóstatas. Escrevi para Betel, mas a resposta foi subjetiva e não respondia necessariamente o que eu havia perguntado. Então segui o conselho dos anciãos, estabeleci que era uma montagem e vivi pregando até chegar o advento da internet. Hoje, 22 anos depois, eu sei a resposta para tudo isso. Não abalou minha fé, mas ainda me preocupo com a atitude um pouco protecionista demais da Organização de Jeová. A minha questão seria, não é mais fácil explicar esses pequenos pormenores do que fingir que não aconteceu e simplesmente estabelecer para quem descobre que são acusações difamatórias de apóstatas?

Então no domingo passado, no estudo de "Você acatará os claros alertas de Jeová" tive a falsa esperança de que algo mudasse, mas não mudou. Os irmãos continuam agindo como pais superprotetores, que chega ao ponto de dizer aos filhos que existe um monstro ou lobo-mau lá fora, só para que ele não saia de casa, ao invés de ensiná-lo a andar na rua. Talvez alguém diga, "André, mas você é diferente de outra pessoa que pode se abalar com algumas informações". Mas ainda assim, não tira o mérito da verdade. Somos Testemunhas de Jeová pela razão, não pela emoção. Somos servos do único Deus verdadeiro pelo conhecimento, se uma pessoa deixa de servir a Deus porque não entendeu plenamente coisas superficiais, ela será comparara aquelas da parábola, cujas sementes foram levadas pelo vento. Mas pelo menos teremos certeza de que todos que ficaram, é porque sabem que apesar de todas as tentativas de desacreditar na Organização, esta é a única que representa o Deus verdadeiro.

6 comentários:

  1. Entendo o que você quer dizer André, no entanto, a classe do Escravo tem tanto a nos apresentar em matéria de alimento no tempo apropriado que seria um desperdício usar as páginas impressas das nossas publicações com refutações sem fim das tentativas vãs dos apóstatas de desviar nossa atenção do caminho da verdade. O simples fato de nos preocuparmos em refutar os argumentos daqueles que desertaram, já cumpre muito bem com o seu objetivo.
    "Perguntaram certa vez a C. T. Russell, primeiro presidente da Sociedade Torre de Vigia (dos EUA), por que ele não se defendia das calúnias. Ele respondeu: “Se a pessoa parar para chutar todo cão que late para ela, nunca irá muito longe.”" - (w95 1/4 p.27)

    Um certo irmão que deu ouvidos à conversa tola dos apóstatas e desviou-se da fé, e anos depois foi readmitido, deparou-se num dia no serviço de campo com alguém com materiais apóstatas, e disse: -"Não quero ver isso, eu já me desviei por esse caminho e descobri que ele é vazio e sem saída."

    ResponderExcluir
  2. André é muito melhor nos concentrarmos em pregar a verdade em vez de ficar nos preocupando com o que os apostátas dizem... a organização está mais preocupada com a questão da conduta, que tem desviado muitos da verdade...

    ResponderExcluir
  3. Entendo o que você quer dizer, porque já me senti assim. Ao me deparar com essas informações, fiquei um pouco confuso durante um tempo. Mas, depois de uns anos, eu comecei a ter o mesmo conceito da organização. O escravo fiel e discreto poderia fornecer pormenores sobre assuntos dessa natureza, a fim de "ensinar-nos a andar na rua". Mas, a pergunta que surge é: Pra quê? Qual é o objetivo se o escravo fizesse assim? Mudaria algo em nossa fé? Carles Russel não tinha conhecimento total sobre a verdade (assim como nós hj não temos {ou alguém vai dizer que a luz mencionada em provérbios já clareou tudo? Tudo estará totalmente claro quando 'o dia estiver firmemente estabelecido' o que AINDA não é o caso]). Ele acreditava em coisas que sabemos hj não ser inteiramente baseadas na Bíblia. Mas, isso não invalida quem ele foi. Ele foi um instrumento usado por Jeová para reunir os cristão verdadeiros. E só. Não foi um líder, o "pai" das TJ. Se a organização fosse explicar cada pormenor sobre Charles Russel, isso fomentaria a imagem que alguns tem de que ele foi o fundador das TJ, o que não ocorre.

    No demais, o livro Proclamadores explica bem a história das TJ. O que está lá, na minha visão, já é o suficiente.

    ResponderExcluir
  4. Comentário aí acima...falou tudo que penso!!! Ponto final!

    ResponderExcluir
  5. Entendo o que o André quer dizer. Aliás, há pouco tempo estava falando isso com minha esposa. Achava que todos irmãos deviam ter condições de defender-se das acusações de apóstatas.

    Eles estão em toda a parte e nunca vão se apresentar como apóstatas, podem estar na escola, no trabalho, na vizinhança, etc

    Então disse eu: A idéia de evitar apóstatas não é correta! Se alguém se desviar é por que não amava a Jeová.

    Logo vi que era uma tolice o que eu disse, pois eu amo muito a Jeová e Ele sabe disso, porém, aqui estou eu desassociado por que não vivi em harmonia com suas normas, isto é, me desviei.

    Logo fica claro que todos nós somos suscetíveis a erros e seria uma tolice se expor a algo que só tem um objetivo que é nos corromper e desviar da verdade.

    Em meus estudos achei magnífico o texto de Romanos.16:17: Que os eviteis.

    Esse texto apareceu no estudo citado. Não há dúvidas do ponto de vista de Jeová, temos de evitar os apóstatas.

    Podemos estar certos André que o que precisamos é fortalecer a nossa fé e nossa convicção de que estamos na verdade. Me lembra uma ilustração que diz que para saber se uma nota é verdadeira você não precisa examinar as notas falsas uma a uma, basta conhecer bem a verdadeira. Do mesmo modo, não precisamos conhecer cada acusação dos apóstatas, basta estar convictos da verdade, ou como disse o André, ser testemunhas de Jeová pela razão.

    ResponderExcluir
  6. Não vejo uma atitude protecionista. Pra que ficar explicando coisas como o formato do túmulo de Russel? Ajudaria a promover as boas novas? Definitivamente não! Temos coisas mais importantes para pesquisar do que isso. O nosso tempo é precioso demais para perdê-lo com coisinhas dessa natureza.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.