quarta-feira, 10 de agosto de 2011

A REGRA É CLARA!

"Temos que obedecer a Deus como governante,
antes que aos homens." - Atos 5:29


A desassociação é uma das regras mais antigas e claras que existe na Organização. É uma das primeiras coisas que se aprende quando se é estudante da Bíblia. É uma das primeiras coisas que se alerta quando um cristão se batiza. É uma das coisas que mais se enfatiza semanalmente nas nossas reuniões. A desassociação é uma forma de proteger a congregação do pecador impenitente, fazê-lo reconhecer o erro e retornar puro e livre dos seus pecados à Jeová. Nenhum dos desassociados hoje foi enganado sobre isso. (1 Corintios 5:1-5, 11-13; 2 Corintios 2:5-7)

A desassociação não é uma atividade exclusiva das Testemunhas de Jeová. Na igreja Católica, embora raramente aplicada, é conhecida como "anatema", ou simplesmente, excomunhão. Entre os Judeus é conhecida como Chérem. Entre as igrejas protestantes, também existia a excomunhão entre os Luteranos e Ortodoxos, contudo, assim como na Igreja Católica, são raros e aplicados apenas em situações extremas, e muitas vezes, apenas para dar uma resposta à sociedade.

Entrementes, eu realmente tenho uma visão, baseada nas minhas pesquisas, sobre a desassociação que não bate muito com o que é estabelecido hoje em dia. Acredito que há  uma burocratização da desassociação, que acabou sendo superestimada em relação ao que o apóstolo Paulo estabeleceu como regra às congregações primitivas. A desassociação no primeiro século tinha como objetivo principal expulsar o iníquo e entrega-lo  a Satanás, e com isso, proteger e limpar a congregação da iniquidade. Era uma regra clara, específica e concisa. (1 Cor. 5:11-13). Hoje, como a decisão cabe a anciãos, homens comuns que podem "ir além das coisas escritas", pode ocorrer - eu disse "pode ocorrer", vale frizar - de que nem sempre o desassociado seja um iníquo ou pecador impenitente. (1 Corintios 4:6)

O corpo governante sabe e se preocupa com isso. Tanto que cartas e mais cartas são enviadas aos Corpos de Anciãos no intuito de alertá-los contra a tendencia de serem zelosos demais em suas decisões. Nas Escolas Ministeriais este assunto sempre é levado em consideração nos discursos e apresentações. Há uma preocupação grande dos irmãos de que injustiças sejam aplicadas, principalmente, porque Betel já reverteu várias decisões de desassociações que chegam à ela por meio de apelações.

Mas independente disso. A regra sempre foi clara: quem erra, sabe que está passível de ser desassociado, e sabe, quais são as consequências disso. Eu amo a Jeová, confio em Jesus Cristo e confio em Sua Organização. Sei que "homens" colocados por ele, são imperfeitos, e mesmo quando erram, erram por sempre agirem em consonância com as regras bíblicas. Podem ser acusados de rígidos, mas nunca, de agirem com má fé. Embora não concorde com o formato, mas concordo com a punição. Aceito-a humildemente, porque a obediência está acima das minhas convicções pessoais. Se minha desassociação foi um erro - que eu particularmente e sinceramente não acho tenha sido - Jeová cobrará na época certa. A regra vale pra mim, vale para vocês.

Justamente por causa do exposto, não concordo com nenhum tipo de manifestação de desassociados que promovem processos ou abaixo-assinados contra a Organização. Isso pra mim, cheira a apostasia! A regra é clara, se não concordava, não se batizasse. A pessoa que se coloca contra a Organização de Jeová, está se colocando contra o próprio Jeová. Você pode até não concordar com alguns procedimentos, mas como diz o velho ditado, "roupa suja se lava em casa". A pessoa que expõe a congregação publicamente ao ridículo está expondo o próprio Deus Todo Poderoso. Se o Apóstolo Paulo desaconselhava que os próprios irmãos não se expusessem colocando um contra o outro em processos judiciais, imagina, uma pessoa colocar a própria religião na Justiça? - 1 Corintios 6:1-8.

Pensa bem. Qual o objetivo disso? Voltar ao convívio dos irmãos ou entrar numa briga particular contra o corpo de anciãos?  Imagina que a Justiça decidisse que um desassociado devesse ser tratado como um irmão forçadamente por meio de uma decisão judicial. Você, como irmão, iria acatar? Uma decisão judicial pode até obrigar a Associação "Pessoa Juridica" a acatar um desassociado, mas os irmãos, aqueles que servem a Deus antes que aos homens, jamais quebrariam sua promessa a Jeová.

Por isso, o desassociado que realmente ama a Jeová, acata as decisões de sua Organização e ao invés de ficar entrando em conchavos e criando contendas inúteis, procura assistir regularmente as reuniões e tomar os passos para voltar pela porta da frente.


9 comentários:

  1. Pascoal, aqui não é um fórum de discussão. Não é uma questão de direito de resposta, ou não. Aqui é meu blog, pessoal, vale frizar. Não vou abrir discussões contra a Organização.

    Quem quiser fazer isso, a internet está cheia de sites, inclusive o que você participa.

    Desculpe, mas só vou dá voz aqui à pessoas que amam a Jeová e crêem que esta é a Sua Organização.

    ResponderExcluir
  2. André e se você quiser ser honesto mesmo responda a minha pergunta: qual publicação direcionada aos estudantes da Bíblia avisam sobre a desassociação? Eu estudei no Viver para Sempre e no Unidos na Adoração e já pesquisei: nada!
    Seja honesto e faça sua pesquisa.

    ResponderExcluir
  3. andre,fazem cinco meses que estou indo nas reuniões como disciplinado,embora não possa conversar com os irmãos,eu sinto o amor deles por mim principalmente de um ancião que eu noto o quanto que ele quer que eu volte.respeito a lealdade dos irmãos.e acato um conselho que li recentemente no livro de estudo DE TESTEMUNHO CABAL SOBRE O REINO DE DEUS.PAGINA 164.ali diz no paragrafo 20. que devemos ser humildes,manter-se em dia com a organização de Jeová,rejeitar o espiritismo,e fazer o máximo para dar um bom testemunho por meio da nossa conduta honesta e respeitosa.

    ResponderExcluir
  4. quando uma pessoa comete um pecado grave e não se arrepende ela precisa ser expulsa da congragação,isso ocorria na congregação do primeiro seculo.cristão não arrependido tinha de ser desassociado.se isso acontecia quando os apostolos de jesus ainda viviam,não e de admirar que aconteça hoje.nesses casos os leais da congregação aceitam a norma biblica de não se associar com os que foram expulsos a sua lealdade a jeova pode ajudar o transgressor a ver a seriedade do seu erro e move-lo ao arrependimento.lemos na bilia que certo homem em corinto foi expulso,mais tarde se arrependeu,mudou seu proceder e foi readmitido.leia 1 corintios 5:11-13 e 2 corintios 2:5-8.note pascoal e um principio biblico,as publicações as reuniões nos ajudam a ficar por dentro deste assunto.como o livro organizados.porem vc estudou o livro poderar eo livro unidos,vc tem o conhecimento de jeová.volte a estudar,pois jeová quer que todos nos nos arrependemos para que possamos sobreviver ao fim deste sistema de coisas que se aproxima rapidamente.

    ResponderExcluir
  5. Toda Testemunha de Jeová, aprende sobre isso, desde quando se torna publicador não-batizado. É tão peculiar quanto a questão do sangue. No livro Organizados, quando o publicador não-batizado responde perguntas bíblicas para 3 anciãos, mais uma vez é deixado claro a regra bíblica.

    ResponderExcluir
  6. Oi André, infelizmente, por motivos de doença, não fui ao campo como sempre faço aos domingos de manhã, e como sempre, desde antes de vc ser desassociado, leio seu blog, e aprecio muito, a sua forma clara realista de encarar a organização de Jeová. Acabei de ler o seu texto sobre a desassociação, e quero te elogiar e expressar a minha admiração por sua humildade em acatar a decisão dos anciãos de forma consciente. Temos muitos pensamentos em comum a respeito de várias coisas, mas, temos uma que essa é a principal: “amamos a Jeová”, mas, sabemos que somente o amor a Jeová não nos ajuda a permanecer obedecendo a ele de coração, precisamos amar a sua organização também, e amar a organização de Jeová, é termos a mentalidade de que vemos vários erros e falhas, de anciãos, às vezes até de um corpo inteiro de anciãos, de superintendentes, de pioneiros, mas, temos que saber diferenciar o que são “pessoas”, imperfeitas como nós e passíveis de erros pela condição imperfeita, e a ORGANIZAÇÃO. Todas as Testemunhas de Jeová passaram pelo mesmo caminho para estarem na organização de Jeová, todos estudaram os mesmos livros dentro de suas épocas específicas (Livro Verdade, Viver para sempre, Conhecimento e O que a bíblia realmente ensina? e os que existiam antes desses que não são da minha época. Eu estudei no viver para sempre.) os que hj são anciãos, superintendentes, missionários, todos tiveram que fazer o mesmo percurso, não existe nenhum conhecimento escondido dentro da organização de Jeová, o conhecimento está disponível para todos. Se alguém chegou a se batizar sem saber da desassociação, nunca antes freqüentou as reuniões, ou não estudou realmente, o que precisava. Então, esse sim, com certeza vai estar desassociado mesmo e criticando, por que com tanto conhecimento que temos a nossa disposição pra termos a certeza que essa é a verdade, e que aconteça o que for, é na organização de Jeová que eu quero ficar, merece e tem que ficar fora dela mesmo, por que do contrário ficam disseminando suas opiniões sem base de nada, muito menos bíblica aos outros com a mentalidade mais fraca. A desassociação é algo que “todos”nós estamos sujeitos, o que não podemos é quando chegamos a esta situação revoltar com a organização. Por que quando a pessoa nessa posição, se torna um crítico fazendo com que isso o afaste completamente de Jeová, ele é a pessoa que o tempo que esteve em nosso meio, só esteve na verdade, mas a verdade nunca esteve dentro dele. De todo Jeito, um dia ou outro ele iria sair. Pois que fique aí fora, dentro da organização não tem espaço pra esse tipo de pessoa mesmo. André, Jeová, assim como todos os irmãos que te apreciam e gostam de vc, estão esperando seu retorno ao nosso “convívio”, e não volta à organização, por que da organização vc nunca saiu. Quando vc retornar espero termos muitas conversas agradáveis e edificantes.

    ResponderExcluir
  7. :) Obrigado Lia. Suas palavras explicam tudo, sem tirar e nem por.

    ResponderExcluir
  8. andre parabens e que jeova o continue abençoando mesmo se fosse o caso avisa pro cidadão la em cima que a biblia deixa bem claro nossa situaça e por quais motivos chegamos a isto confio em Jeova e so me entristece saber que pessoas como o pascoal sujaram no prato que comeram de nada valem as perolas jogadas aos porcos , obrigado sempre .... ezequiel

    ResponderExcluir
  9. Conheço bem a política da desassociação, e lamentavelmente a liderança da torre abriu margem para um leque tremendo para 'motivos' válidos passíveis de expulsão, que vão desde casos sérios até fatos banais. (ex. certa irmã foi expulsa por dirigir sem carteira). Também é muito claro que existe um desprezo pelo expulso, falo isso de cadeira, como o caso de pessoas próximas conhecidas, que entram no salão caladas e saem desprezadas. Em muitos casos corpos de ancião praticam uma linha muito dura, como deixar um expulso até 4 anos 'aguardando' a volta, o que contraria o próprio conselho de Paulo ‘de não ser rigoroso demais ‘ (2Cor. 2:5), e mesmo depois que são readimitidas não recebem aplausos de boas vindas, sendo que os próprios anjos estão aplaudindo nos céus. (contraste Luc. 15:7). Quanto ao fato de sermos informados sobre a desassociação quando conhecemos a congregação, não é bem assim. Na verdade, muitos só ficam mais a par dessa regra quando veem pela primeira vez um anuncio de expulsão no púlpito, e assim passam ‘a se acostumar’ com essa regra. Outro fator que foge a instrução bíblica e fica a mercê da normativa humana é o forte conselho de se afastar do expulso, e até mesmo familiares passam a evitar o parente direto do convívio familiar, o que gerou processos judiciais em alguns casos, mas uma avaliação do texto bíblico deixa claro que algumas pessoas tinham algum convivo com o expulso de Corintio, (vide 2Cor. 2:6 / Estranhamente esse texto não é comentando nem encontrado nos índices). Particularmente aceito o modelo bíblico de expulsão, mas acho que a torre exagerou e superestimou esse ensino, e os expulsos acabaram ficando um pouco de lado, tratados como refugo.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.