domingo, 21 de março de 2010

A BÍBLIA: O LIVRO DE ELI



Quando assisti ontem "O Livro de Eli" com minha esposa, ao final, fiquei com um sentimento estranho tentando justificar que apesar de toda violência e clima hostil do filme, ficamos com uma bonita mensagem de esperança como realmente o filme se propõe. Minha esposa não gostou muito, alegou que o fim não justifica os meios, que Eli praticou violência matando cruelmente inimigos e deixando inocentes sofrer, apenas para proteger a palavra de Deus. Na mesma hora me lembrei das várias passagens das Escrituras Hebraicas aonde aconteceram o mesmo. Vou ser apedrejado por comparar Eli com as "guerras santas" da Bíblia, mas sou um provocador, e nada como uma boa dose de polêmica para refletirmos em nossa fé.

O fato é que a Bíblia,durante séculos, foi atacada, chegou a ser proibida, queimada, desacreditada, mas Jeová permitiu que ainda assim se tornasse o maior livro do mundo atual, capaz de influenciar filosofias, líderes e a vida de bilhões de pessoas. E se neste momento ocorresse uma terceira guerra mundial, aonde uma disputa nuclear acabasse por desencadear uma explosão solar capaz de exterminar toda a raça humana? E se livros fossem raridades, a maioria das pessoas fossem analfabetas e os humanos tivessem voltado a situação de serem rudimentares de guerreiros assassinos ou vítimas tentando sobreviver a inanição humana? E se em todo planeta não existisse mais um exemplar da Bíblia, o que faria se encontrasse um único exemplar existente? Será que Deus permitiria o desaparecimento de sua Palavra ou permitiria a um "escolhido" que levasse a Sua palavra de modo que todos pudessem continuar com fé e esperança?

Protagonizado por três dos meus atores preferidos, é partindo desse princípio que "O Livro de Eli" começa. Num futuro devastado pela guerra e pela natureza, os homens vivem como andarilhos e lutam para sobreviver. Não existe mais animais, muitos acabam praticando canibalismo, e a água é escassa, dominada por grupos assassinos que por causa desse poder dominam pequenas cidades. As pessoas trocam coisas por comida, as mulheres são subjugadas e os que não aceitam a condição acabam sendo assassinados. Neste ambiente vive Eli, um misterioso homem habilidoso com sua faca e em artes marciais que tem apenas uma única missão: levar o único exemplar da Bíblia para um local no Oeste dos Estados Unidos. Uma voz lhe ordenou essa missão e diz que o protegeria durante todo o percurso.

No meio do caminho, Eli acaba encontrando a "vila" dominada por um homem cruel (Gary Oldman) que é obcecado por livros e acredita que se tiver um exemplar da Bíblia em mãos, poderá dominar o planeta, porque manipularia as pessoas levando esperança para ela, "assim como foi feito no passado por igrejas, padres e pastores". Ao descobrir que este livro está nas mãos de Eli, decide perseguí-lo e embarca numa verdadeira e cruel caçada, aonde Eli contará com suas habilidades com armas e facas, com a ajuda adicional de Solara (Mila Kunis), "enteada" do vilão, e com a fé de que Deus o estará protegendo no caminho.

O filme foi dirigido pelos irmãos Hughes que não produzem um filme há muito tempo e por isso justifica a narrativa arrastada na maior parte do filme. A história demora a engrenar, eles utilizam muito a máscara preta no filme, cansando a visão algumas vezes, mas a ótima interpretação de Gary Oldman e Denzel Washington acaba amenizando o tédio inicial. As cenas de ação são bem feitas, as lutas bem coreografadas, mas é na mensagem central do filme que você acaba se surpreendendo. O roteiro é bastante conciso, os Hughes não perde tempo com explicações e se firmam apenas na história central.

Por fim a cena final da missão é de certa forma surpreendente e emocionante. Eli acaba chegando sem querer a um lugar aonde a Bíblia finalmente poderá ser mais uma vez propagada a todas as nações novamente e trará esperança para todos. A forma como Eli entrega o único exemplar é de certa forma muito tocante. Claro que com o conhecimento da Bíblia que nós temos, sabemos que não é dessa forma que a humanidade apartada de Jeová será penalizada, mas se assistir, poderá concordar que a mensagem do filme é que haja o que houver, a Palavra de Deus nunca será destruída.














8 comentários:

  1. BIO -tenho lido muitas criticas de cinema desse filme - uns contra outros a favor.Mais todoa concordam que a mensagem é inteessante. estou curioso para assiti-lo

    ResponderExcluir
  2. Com certeza as críticas devem ser de ateus moderninhos que acham que a Bíblia mostrada como única esperança da humanidade, uma propaganda inútil.

    ResponderExcluir
  3. Assisti esse filme há 2 meses atras pirata e gostei demais, me incentivou ainda mais a ler a biblia.
    Nós TJ temos a obrigação de ler a biblia... uma cena interessante é qdo o vilão pega a biblia em braile. rsss. D+++

    ResponderExcluir
  4. Quando o vilão pega a Bíblia em braile, foi a redenção da mãe de Solara, porque ela é cega e somente ela poderia lê-la. Observou que ela "fingiu" que não sabia ler?

    ResponderExcluir
  5. Rapaz, esse personagem é uma fusão de uma TJ com Mad Max e Afro Samurai. Se tivesse desses hoje, queria ver quem ia tratar a gente mal no serviço de campo, ia ser uma dúzia de cabeça voando por hora trabalhada.

    ResponderExcluir
  6. BIO - MEU ESSE AI ACIMA VIAJOU LEGAL, QUE CRIATIVIDADE. HAHAHAHAHHA.
    ACHO QUE VC ASSISTIU MUITO JASPION NA INFANCIA HAHAHAHAHAHHA. NESSE SEU BLOG DA DE TUDO VIU SEU ANDRÉ

    ResponderExcluir
  7. Rapaz, esse personagem é uma fusão de uma TJ com Mad Max e Afro Samurai. Se tivesse desses hoje, queria ver quem ia tratar a gente mal no serviço de campo, ia ser uma dúzia de cabeça voando por hora trabalhada. [2]


    GOSTEI! KKK

    ResponderExcluir
  8. jaspion é da hora curtia muito nos anos 90 pela extinta rede manchete pena que acabou, não se faz mais metal heroes como antigamente...eh!cadê voçê preste atenção no que vou dizer sou o guerreiro que vai defender!...

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.