segunda-feira, 3 de março de 2008

[ Carta da Terra ]

Esta semana uma irmã me passou um e-mail de uma pessoa que comentava um documento a ser elaborado pela ONU, chamado de "Carta da Terra", onde entre outras coisas, promoveria "uma declaração de princípios fundamentais com significado perdurável e que possa ser compartilhada amplamente pelos povos da todas as raças, culturas e... religiões". Como detesto correntes e informações sem fonte confiáveis, fui buscar mais dados sobre essa tal carta.

Este documento foi elaborado e aprovado pela ONU em 2002 e tem por objetivo criar um mundo verdadeiramente globalizado, onde todas as nações fariam parte de uma supracultura, estando sob uma mesma Lei no campo da política e também da religião. Na prática seria como se todas as nações que fazem parte da ONU, assinasse uma Lei única garantindo que viveriam num mesmo sistema de idéias, conhecimentos ou comportamento padronizado.

O que nós Testemunhas de Jeová temos com isso? Bem, numa Lei que apóia a suprareligião, todos estariam debaixo dum mesmo credo e duma mesma forma de encarar a Deus. Como os Católicos e Muçulmanos representam as duas maiores religiões, elas seriam um empecilho. Então, a ONU teria que cuidar para que estas religiões fossem extintas, iniciando o processo que foi previsto pela profecia de Revelação em que o fera iria contra a meretriz, Babilônia, a grande.

Quer saber? Esqueçam. Não vai ser por aí. Essa Lei esdrúxula que nunca vai sair do papel. A ONU não tem moral nem para obrigar os Estados Unidos a diminuir sua emissão de gases poluentes, quanto mais de obrigar a países africanos a abandonar sua cultura, sua arte, sua forma de encarar moralmente as coisas, e principalmente, sua religião.

Eu sei que estamos loucos para ver sinais dos últimos dias. Se contente com o que temos até agora. Se servir de consolo, vejam os terremotos do Ceará como um prenuncio dos fins dos dias. Afinal, quem um dia ia achar que teríamos terremotos no Brasil??

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.