segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

[ Encantada – A Disney ri de si mesma ]


Animação era coisa de criança, até que a Disney em 1940 produziu “Fantasia”, que acabou se tornando um dos maiores clássicos do cinema mundial, e fazia da Walt Disney sinônimo de desenhos animados. De lá para cá, Disney adaptou praticamente todos os contos dos Irmãos Grinn em sucessos como “A Bela e a Fera”, “Cinderela”, “Branca de Neve e os 7 anões”, “A Dama e o vagabundo”, produções encantadoras, cheias de alegria, canções, animais falantes, uma coisa fofa, até que em 2003 um ogro chamado Shrek apareceu e com sarcasmo debochou de tudo que a Walt Disney tinha produzido até então.

A Disney contra-atacou, mas não com vingança, mas com um mea culpa bem humorado chamado Encantada, em exibição nos cinemas.

O filme começa mais Disney que nunca: um desenho animado que nos apresenta a doce princesa Giselle, que vive numa floresta, sempre feliz e bela em busca do príncipe encantado. A cena não perdoa: tem animais falantes, inteligentes e aquelas famosas canções chatas. Quando ela finalmente encontra o seu príncipe, uma rainha má, expulsa do seu mundo mágico e musical e ela aporta em plena Manhattan dos dias atuais. Como um peixe fora d´água ela acaba sendo encontrada por um advogado divorciado, que acha que amor é um contrato de trabalho, por quem se apaixona. Só que Giselle já está prometida em casamento para o príncipe Edward, que decide também deixar o mundo mágico para reencontrar sua amada.

Com forte apelo infantil (por causa da animação e dos excelentes efeitos especiais), o filme deve agradar mesmo os adultos, pois somente estes conseguem rir das piadas e alfinetadas que o filme dá em si mesmo. Por exemplo, a princesa com sua ingenuidade, tenta repetir no mundo real o mesmo faz de conta que vive no desenho. O resultado agrada e dá boas risadas, como na cena em que o príncipe enfrenta os trabalhadores na rua, ou quando a princesa chama os lindos animais para arrumar a casa, mas em vez disso atrai os ratos, pombos e baratas de Nova York. Mas quem rouba a cena mesmo é o esquilo Dig, que graças aos efeitos especiais, parece de verdade.

“Encantada”, é uma boa pedida para aproveitar as promoções de quarta-feira.



.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.