domingo, 26 de agosto de 2007

[Cuidado com os apóstatas ]


Aquilo que Raul Seixas chamava de "metamorfose ambulante", eu chamo de “ser volúvel”. Eu sou um cabeça dura, e para mudar minha opinião sobre alguma coisa o argumento precisa ser bastante convincente. Agradeço a Jeová por ser assim


A apostasia está em todo lugar, mas na internet ganhou um espaço antes nunca dado a eles. Incrível como basta digitar "Jeová" no Google e de cada 10 sites sugeridos, nove são de sites apóstatas. Nojentos esses caras!


Alguns têm a curiosidade de ficar entrando nestes sites "só para ver o que eles falam de nós". Não faça isso. A arte de enganar destes apóstatas inclui se fazer se anjos de luz (2 Cor. 11:14). Eles não estão interessados, inicialmente, em questionar nossas crenças, eles deixam isso para os evangélicos; seu interesse principal é minar nossa confiança no "escravo fiel e discreto", pois ao fazer isso, derruba todo o resto.


Muitos apóstatas foram anciãos ou servos ministeriais, então, possuem conhecimento razoável sobre a rotina administrativa da organização e usam isso como falácia, tentando nos enganar com bravatas. Em vez de dizer que o “inferno existe” eles vão tentar te convencer que a organização é má administrada, que os anciãos são hipócritas, que Betel costuma fazer transações comerciais ilícitas e assim por diante.


Charles Taze Russel, coitado, é o mais criticado. Ele já foi polígamo, adúltero, membro da KGB ou da maçonaria. Segundo outros, as ilustrações de nossas revistas estão cheias de desenhos com mensagens subliminares. Na França fomos acusados de sonegadores de impostos e em São Paulo, Betel recebe visitas costumeiras de oficiais da Receita Federal tentando achar uma brecha em nossas contas. De vez em quando colegas do trabalho trazem alguma reportagem que cita alguma suposta trambicagem de nossa Organização.


Lembre-se que todo apóstata foi uma Testemunha anteriormente, por isso, cuidado inclusive com toques desafinados vindos de irmãos (1 Cor. 14:8). Eu tinha um amigo que servia como ancião numa congregação de Vitória da Conquista-BA. Ele era bastante comunicativo, não era bitolado e concordávamos em algumas opiniões. De uns tempos depois, percebi que ele questionava tudo que vinha do “Escravo”. Percebi que o toque já não tinha o mesmo som. Questionar é bom para fortalecer nossa fé, mas se rebelar é outra coisa. Tempos depois um outro amigo da mesma congregação me ligou dizendo que ele havia sido desassociado. Três meses depois, ele me ligou, dizendo que ele havia montado uma igreja na região e tinha montado um site apóstata na rede.


Para mim foi um choque, mas graças a Jeová, eu sou um cabeça dura. Não serão apóstatas desgraçados que irá me afastar de Jeová e de seu filho Jesus. Mas assim como Satanás um dia enganou Adão e Eva, é preciso estar sempre atento.

2 comentários:

  1. É incrível a facilidade q esses apóstatas lançam duvidas em nossas mente, eu já cai na bobeirade entrar num site "só pra ver", depois fiquei mt tempo com aquilo na cabeça. Lição: Passe longe de qualquer conteúdo apóstata.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. os apóstatas estaõ em todo o lugar, mas na internet ganhou vida própria e conseguém com uma facilidade incrível destilar seu veneno, cuidado: eles estão por ai, pronto para nos atacar.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.