domingo, 17 de dezembro de 2006

[ Minhas reuniões maravilhosas ]


"Eis que quão bom e quão agradável é
Irmãos morarem juntos em união" - Salmo 133:1


Agradeço todos os dias ao meu Deus por fazer parte da minha congregação; por assistir regularmente estas minhas reuniões maravilhosas. O estudo da revista desta semana tocou num assunto que bem sei como funciona. Dia de reunião para mim são sempre especiais, esses dias nascem com um e brilho peculiar. No meu caso, todas as terças, quintas e domingos nascem com uma cor diferente das demais.

Além dos motivos óbvios, descritos no estudo, que transformam as reuniões em eventos sagrados e a oportunidade de adorarmos a Jeová e glorificarmos seu filho Jesus Cristo, há o aspecto destacado pelo apóstolo Paulo ao se dirigir aos cristãos em Jerusalém no livro de Hebreus 10:23-25: o estímulo que dá vemos os irmãos reunidos como congregação. Ver que todos estão ali, como você, para adorar a Deus e que todos, assim como você, se esforça com o mesmo objetivo. Que você não está só.

Gosto das reuniões porque me alegram, gosto de rever a turma, de rir com as piadas dos caras ou curtir com a cara deles que vivem brincando um com o outro e até gozando da cara um dos outros. Cada um deles com sua característica, com seus defeitos e virtudes que transformam-nos em únicos. Gosto de ver minhas veínhas, sim, minhas velhinhas irmãs idosas que tem um papel especial em nossas vidas. Impossível não rir das tiradas da irmã Lucinda, ou das piadas da irmã Júlia ou ver o sorriso da irmã Osana, sim, elas tem um lugar especial na "vida" de nossa congregação.

Tem também as crianças, puxa, Ronan é um amor de menino, impossível não se apaixonar por ele, principalmente quando ele, parecendo um mocinho, faz questão de cumprimentar a todos no Salão do Reino. E quando eles comentam? Parecem adultos e não se contentam mais em apenas dizer "Jeová"; agora eles querem ler uma frase inteira. É uma pena que na divisão, a maioria das crianças ficaram no lado de lá.

E nossas jovens irmãs? É como se fossem nossas irmãs carnais; inclusive com as mesmas picuinhas típicas de irmãos, quando criticamos gostos, modo de vestir, machismo, feminismo, afins e no final rolam os velhos comentários básicos "vocês homens são uns metidos", "vocês estão encalhadas!". No final tudo vira motivo de riso e de brincadeiras.

E os anciãos? Impossível não amar a direção do estudo da revista por Moisés; é incrível como ele consegue deixar os irmãos à vontade. Quando a reunião começa a ficar maçante ou formal demais, ele faz uma tirada, uma pequena brincadeira, e logo todos estão despertos novamente. André Júnior, não teve jeito, teve que aguentar o apelido que os meninos colocaram de "meu filho", afinal se André é Júnior, eu devo ser o pai dele. Ninguém poderia ser melhor designado para ser o Superintendente de Serviço que o irmão Nindemar, chega ser um exemplo o amor que ele possui pelo ministério de campo. Cada um com seus defeitos, cada um com suas qualidades, juntos, formam o melhor corpo de anciãos que existe, claro, afinal é de minha congregação.

Enfim, reunião é isso. É o lugar onde nos vemos como família, como congregação, servindo e sendo servido. Tenho certeza - e espero isso - que seja o mesmo sentimento que você tem por sua congregação. Se não possui, tá na hora de começar a avaliar a si mesmo e começar a ter. Porque reunião é um aspecto permanente de nossas vidas. Virá a grande tribulação, o armagedom, os mil anos, novos rolos, novas orientações, mas nossas reuniões continuarão maravilhosas como sempre.

2 comentários:

  1. Fiquei com saudade de todos sabia? Apesar de ter alguns q. não conheço. Realmente é muito gratificante chegarmos no Salão e vermos todos aqueles rostinhos c/ o mesmo objetivo q. é de Servir ao Deus Verdadeiro. Minha congregação atual tb é muito boa.

    ResponderExcluir
  2. voçê está bem feliz,hein! parabéns e continue sempre assim nesta empolgação!

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.