segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

É POSSIVEL EVITAR A DESASSOCIAÇÃO?


Sim. Basta não pecar. Mas infelizmente somos todos imperfeitos, pecadores e algumas vezes é difícil se manter íntegro. Quando um pecado grave é cometido, o transgressor precisa ser levado a uma Comissão Judicativa. (Jo 5:14; Rom. 3:23)

Desassociação é bíblico!

Ao contrário do que muitos pensam, a expulsão é bíblica. (1 Cor. 5:5, 11, 13)

"É princípio básico e inerente de toda sociedade religiosa a possibilidade de expulsão de membros que não estejam em acordo com suas regras. É análoga aos poderes de pena capital, de banimento e de exclusão do rol de membros, exercidos por entidades políticas ou municipais." it-2 pp.86-88 

Na congregação de Deus, quando um cristão, ou cristã, comete algum erro, ela deverá fazer uma profunda oração à Jeová expondo seus erros e demonstrando de coração que se arrependeu. E imediatamente deve procurar, também,  um ancião mais achegado de sua congregação para que seja lhe dada a devida ajuda espiritual. (Tia. 5:14)

Alguns erros, podem ser resolvidos com uma simples conversa com os anciãos, contudo, outros mais complexos e delicados talvez precisem ser analisados por uma Comissão Judicativa. Esta comissão, para manter a pureza da congregação, talvez se decida apenas pela Repreensão Judicativa ou pela Desassociação Judicial do cristão. Até meados de 2003, havia a ideia de que o desassociado era uma Testemunha de Jeová que estava sendo disciplinada, mas essa visão fora corrigida, e hoje o desassociado é considerado um membro expulso, ou seja, ele não é mais Testemunha de Jeová. A decisão deve ser dada sete dias depois, após a primeira Reunião de Serviço pelo presidente da Comissão Judicativa ou pelo Coordenador da congregação. 

Aplicada em último caso. 

Houve um grande refinamento do Corpo Governante quanto à Desassociação. Por meio de cursos, estudos bíblicos (como a da última semana, por exemplo) e admoestações por meio de cartas à congregações, os anciãos são admoestados arduamente de que a Desassociação deve ser o último passo. Que eles precisam porque precisam recuperar a todo custo o errante.  


Se o transgressor é culpado de pecado crasso, mas dá evidência
de arrependimento piedoso, mesmo tão tardiamente
quanto na audiência, a repreensão judicativa dada pela comissão
talvez seja o suficiente; a desassociação pode não ser
necessária. (2 Tim. 4:1, 2 ; Tito 1 :9 ; w83 1/4 pp . 31-2) ks. Pag.121.


Infelizmente se faz necessário porque vez por vez Betel recebe relatos de Superintendentes ou por meio do próprio pecador, de excessos cometidos em comissões. Segundo um irmão que serve no Betel de Portugal, cerca de 10 a 20% das desassociações poderiam ter sido evitadas se houvesse uma reconsideração dos fatos. Isso lá, que tem 1/4 das Testemunhas de Jeová que há no Brasil. O problema é que muitos acreditam que ao questionar a decisão de uma Comissão Judicativa estaria indo de encontro ao julgamento de Jeová, o que é uma grande falácia. 

Apelação da Comissão Judicativa

Hoje em dia pode se dizer facilmente que só é desassociado quem quer.  O próprio desejo do cristão de querer continuar servindo a Jeová é um indício de que seu arrependimento pode ser genuíno e ao invés da expulsão, se aplica a  Repreensão Judicativa.

Desde 1980 foi estabelecido a provisão de apelação da decisão da Comissão Judicativa.  Num prazo de até sete dias a contar da data da comissão, o transgressor deverá apelar por escrito. 

Numa carta simples, de próprio punho preferencialmente, o irmão deverá mostrar de forma humilde mas firme, que não concorda com a decisão e expor os motivos. A exposição dos motivos deve ser sincera. Se achou que foi injusta deve descrever os fatos de forma  respeitosa. Não queira atacar nenhum ancião pessoalmente ou por em dúvida a moral da comissão. Isso só irá te prejudicar ou demonstrar que no fundo, você merecia a desassociação por falta de humildade e de respeito aos anciãos congregacionais.

A apelação é obrigatória, ou seja, a Comissão tem que acatar! Uma nova Comissão feita com anciãos de outras congregações é constituída para um novo julgamento. É recomendado que esses anciãos sejam de congregações distantes e que preferencialmente não conheça o transgressor. Se você é uma pessoa popular terá que admitir que a impossibilidade disto. O objetivo é que ela seja o mais imparcial possível.  Os anciãos da primeira Comissão não participam! 

Se o parecer da nova Comissão for similar ao da primeira, a decisão é dada ao irmão e na primeira Reunião de Serviço seguinte é dado o anúncio que a partir desta data Fulano não é mais Testemunha de Jeová. Se, contudo, a nova Comissão achar arrependimento no transgressor, esta deverá fazer um relatório que será encaminhado à Betel junto com o relatório da primeira Comissão. Caberá aos irmãos de Betel dar o parecer final. 

Enquanto estiver em tramite, o transgressor ficará restrito de comentar e orar nas reuniões. O livro dos anciãos diz que isso inclui privilégios especiais de serviço, mas não é claro, se isso inclui participar do serviço de campo. 

A desassociação só ocorre quando é anunciado na congregação. Você pode utilizar o tempo disponível para avisar ou se despedir de amigos íntimos.  


Apelação da apelação?


Se ainda achar que foi injustiçado, infelizmente, não há como apelar da apelação. Mas eu já vi casos onde um irmão foi anunciado como desassociado e duas semanas depois foi corrigida apenas para Repreensão Judicativa. Já vi até ancião perder o cargo e ser novamente reconduzido ao cargo na semana seguinte!

O que posso dizer é que o irmão tem todo direito de buscar a Justiça de Jeová. Os Superintendentes de Circuito normalmente estão visitando uma congregação próxima e ele pode ser procurado a qualquer momento para que lhe seja exposto os fatos. Como autoridade espiritual sobre os anciãos, ele poderá mediar a situação e verificar se houve alguma falha de julgamento.

Mas diante de tantos alertas e admoestações, acredite, os anciãos estarão mais interessados em lhe ver servindo a Jeová alegremente do que levar a culpa em desassociar alguém injustamente, peso este, que será bem pesado sobre suas costas. 


Que Jeová abençoe a todos. 

6 comentários:

  1. Profissão de André Lago: Analista de Atendimento.... kkkkkkkkkkkkkkk

    Que maquiagem na sua profissão!!! Vc é um operador de telemarketing receptivo. Te conheço, negão da Bahia

    ResponderExcluir
  2. Verdade, desculpe. Na verdade eu sou o cara da limpeza... tô envergonhado.

    Com tanta coisa séria a se comentar, o cara perde tempo vindo comentar isso. Cresce criança

    ResponderExcluir
  3. Ok, você defende a excomunhão.

    Mas, onde se diz que não se pode dizer um oi, um olá, comer com esta pessoa e entre outras coisas na Bíblia?

    O que Jesus disse sobre isso? Será que ele trataria os "pecadores" dessa maneira?

    ResponderExcluir
  4. "Ok, você defende a excomunhão."

    NÃO DEFENDO, SÓ DISSE QUE É BÍBLICO.

    "Mas, onde se diz que não se pode dizer um oi, um olá, comer com esta pessoa e entre outras coisas na Bíblia?"

    1 CORINTIOS 5:5,11,13;

    "O que Jesus disse sobre isso? Será que ele trataria os 'pecadores' dessa maneira?"

    MATEUS 18:15-17; JOÃO 2:13-17


    ResponderExcluir
  5. Boa noite! também sou desassociado,concordo com a desassociação,mas a forma como ela é feita não acredito que seja orientação de Jeová.
    Na época de Moisés,as pessoas que eram "punidas" ficavam de quarentena, e depois se mostravam aos sacerdotes e eram removidas da punição(não me refiro ao caso dos condenados por Jeová, pois estes eram destruídos, me refiro ao julgamente do qual era possível retornar para Jeová, como no caso especifico de Mirian, e mais tarde no caso de Davi) e mesmo no primeiro século, o jovem a quem atribuimos o termo desassociação, FOI PROCURADO PELOS ANCIÃOS, ele não teve que enviar carta alguma...
    Bem eu não discordo que devemos ser corrigidos, mas você batizou a quem? a Jeová ou a uma organização? se foi a jeová, pq que invalidam seu batismo dizendo que vc não é mais TJ?????
    Nenhum ser humano tem o poder de cancelar um batismo de alguém...Jeová não deu este poder nem a Moisés que dirá a humanos que erram tão frequentemente, alterando sempre conceitos que por anos eles divulgam como correto...

    ResponderExcluir
  6. Eu estou numa situação de ser julgado numa comissão judicativa por adultério, o caso é que minha esposa me abandonou faz quase um ano e meio, eu pedia a ela que reconsiderasse e voltasse mas ela até mesmo sugeriu me dar base bíblica pro divórcio o que não aceitei, porém no fim das contas fui eu quem acabei dando base a ela, mas asseguro que não foiu de forma premeditada, foi um deslize que cometi agora espero que a comissão entenda isso e não aplique uma regra inflexível no meu caso porque to arrasado.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.