sexta-feira, 11 de junho de 2010

CARNES SACRIFICADAS À ÍDOLOS


No entanto, se tivésseis entendido o que significa:
‘Misericórdia quero, e não sacrifício’,
não teríeis condenado os inocentes.
- Mateus 12:7




Imagine que você fosse convidado para uma festa, um grande churrasco, e antes de devorar aquele suculento pedaço de picanha, alguém te confidenciasse que a carne fora comprada de um açougue aonde o dono é Pai de Santo? Pior, parece que os bois são oferecidos nos rituais de candomblé e somente depois é que são abatidos e levados ao açougue para serem vendidos?

Qual seria sua reação? Gritar "Ai, meu Jeová", jogar a carne no lixo e sair correndo o Salão do Reino mais próximo para não perder a vida? E o que acharia de outros irmãos que continuasse lá aproveitando cada pedaço do suculento churrasco. Que ele é fraco? Que existem TJ e TJ?

Se pensou assim, melhor pensar duas vezes e ler com mais calma 1 Corintios 8:4-13, 10:23-31.

(Pausa para leitura)


Observaram que nem tudo parece ser óbvio demais? É interessante que das mais de 600 leis que Jeová deu à Israel por meio de Moisés, pouquíssimas continham ordens explícitas que regulavam a vida do servo de Deus; a maioria apelava para a consciência individual, ou seja, a Testemunha que dedicou sua vida à Jeová usufrui a liberdade de se guiar por sua consciência treinada pelo espírito santo e pela Bíblia.

Mas não é incrível que quanto mais aprendemos nas reuniões sobre isso, muitos mais irmãos surgem se achando no direito de serem considerados acima do bem e do mal, e com uma capacidade resoluta de julgar e criticar o próximo? E não é que o apóstolo Paulo deu um tapa na cara de quem acha que ser Testemunha de Jeová é dizer para o próximo comprar uma máscara de oxigêncio para não respirar "o ar deste mundo" enquanto em sua própria casa é capaz de respirar o cheiro imundo que sai de sua própria mente?

Claro, que por outro lado, Paulo não estava nos exortando a ser livres e independentes demais. Na verdade a idéia era mostrar que temos a liberdade que quisermos, desde que esta não infrinja princípios bíblicos, e também, não seja motivo de pedra de tropeço.

Há dois capítulos antes, o espírito santo tinha movido Paulo a declarar: "conhecimento enfuna, mas o amor edifica". Vocês já pararam para refletir o quão poderosa são essas palavras? Quando você critica alguém por estar fazendo algo errado, você pode até ter razão, mas você está enfunado à base do seu conhecimento bíblico. Mas ter razão não é sempre amoroso. Às vezes é muito melhor ser feliz do que ter razão. Pois aquele que ama de verdade, deixa de lado a razão, mesmo que por um momento, para fazer o que certo, para fazer o que é cristão.

E isso envolve deixar de lado o rancor e a presunção que o conhecimento pode trazer, e fazer outros tropeçar, mas se apegar apenas à necessidade de ajudar, resgatar, de querer levantar o próximo. Lembre-se do que Jeová quis dizer quando falou preferia misericórdias do que sacrifícios. Pense nisso... e quem sabe, "provavelmente seremos escondidos no dia da ira de Jeová" (Sof. 2:2,3)



.

6 comentários:

  1. 'é muito melhor ser feliz do que ter razão. Pois aquele que ama de verdade, deixa de lado a razão, ... para fazer o que certo, para fazer o que é cristão.'
    Certamente que sim. Muito interessante esse post.

    ResponderExcluir
  2. BIO - a mais pura verdade,, ja presenciei as mais hilarias colocaçoes de assuntos que alguns condenavam e a bilbia deixa a quiterio de conciencia

    ResponderExcluir
  3. Quantas faculdades vc. fez BIO,
    faça-me o favor "QUITERIO"...rsrsrsr

    Cléo-SP

    ResponderExcluir
  4. bio - KKKKKKK, VALEU PELA CHAMADA, O MEU MAL QUE NAO TENHO PACIENCIA PRA TECLA E AS VEZES COMETO ESSA PEROLAS DO CANCIONEIRO POPULAR KKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  5. ah! meu eu como de tudo da culinária baiana: vatapá, acarajé, caruru e por vai...desde que não seja oferecido por entidades espíritas.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.