segunda-feira, 31 de maio de 2010

BETE-SARIM - A MANSÃO DA DISCÓRDIA




O nosso querido ex-presidente da Sociedade Torre de Vigia, Joseph F. Rutherford, como já dito em postagens anteriores, foi o maior revolucionário da Organização de Jeová na terra e um dos homens mais fidelíssimos que serviu ao nosso Deus. Além de ter abandonado toda a sua carreira jurídica e uma vida de sucesso profissional (Rutherford foi, inclusive, promotor público algumas vezes), foi ele quem moldou toda a estrutura que conhecemos hoje da Organização: fomentou modalidades de pregação, incentivou serviços missionários, criou escolas de treinamentos ministeriais, reajustou crenças equivocadas e fez as congregações prosperarem mais e mais os irmãos aumentarem em números e qualidade.

Entrementes, na década de 20, ele também foi responsável por um dos episódios mais incômodos de nossa organização. Imagine, que hoje, um irmão inventasse a construção de uma grande mansão luxuosa, com o objetivo de hospedar os patriarcas Jacó, Abraão, Isaque e Davi, que seriam ressuscitados antes do armagedom? Achou a idéia absurda? Pois bem, na década de 20, J. F. Rutherford “inventou” uma história dessas.

Já em 1918, o irmão Rutherford, começou a prever que os patriarcas (ou príncipes) do antigo Israel, seriam ressuscitados para a vida terrena no ano de 1925. Foi ensinado que estes "príncipes" iriam se tornar os novos líderes da terra e que a sua ressurreição, seria um prelúdio a nova ordem, o paraíso na terra em cumprimento a Salmo 45:16. Porém o ano chegou, e necasdecatibiriba de ressurreição! Bem, apesar da previsão frustrada, Rutherford continuou a pregar o regresso iminente destes príncipes.

Devido a uma pneumonia contraída quando ele e outros membros do Conselho foram presos injustamente, Rutherford começou a freqüentar a cidade de San Diego para um tratamento médico. Devido a gravidade da situação – um dos pulmões estava totalmente comprometido pelo pneumonia – os médicos recomendaram que ele não saísse de San Diego. Sem ter um local fixo para morar, alguns irmãos próximos aproveitaram a “profetada” de Rutherford, fizeram uma “vaquinha” particular e compraram um terreno em 1926 no subúrbio californiano de Kensington Heights , com o objetivo de construir uma casa aonde os patriarcas ressuscitados seriam hospedados e ofereceriam a Rutherford para que ele servisse como uma espécie de “caseiro” do local. Três anos depois, em 1929, construíram uma mansão, propositadamente feita em forma paisagística, cheio de jardins com oliveiras e palmeiras e lhe deram o nome de “Bete-Sarim”, uma expressão hebraica para Casa dos Príncipes.

Em 1930, Rutherford se mudou para o local. Não precisa dizer que, fomentado pelos inimigos, os jornais da época, como o Sun Diego Sun e o Time Magazine ridicularizaram a mansão e os reais motivos de sua execução. Diziam que a mansão era por demais luxuosa, que incluía a posse de Cadillacs de 16 cilindros, considerados “o carro” da época, e que contrastava com a situação da época, a Grande Depressão pós-guerra, aonde milhares de pessoas estavam desempregadas e viviam de ajudas humanitárias. Não é preciso dizer que isso foi uma grande deixa para os recém inimigos, aqueles ex-associados, fiéis à Russell (mas não à Jeová, vale frizar), de aproveitar a situação e levantar críticas e criar um clima de desconfiança entre os irmãos.

Tirou isso a credibilidade de Rutherford?

É interessante que as discussões acerca desse episódio, apesar de todo escárnio feito pelos jornais San Diego Sun e Time Magazine, só ganhou força no fim da década de 30. Rutherford estava definhando lentamente por causa de sua doença, e possivelmente, muitos irmãos o pouparam de se expor. Preferiram esclarecer as coisas internamente, para quem realmente importava, o conselho administrativo e aos irmãos de modo geral.

Mas em 1937 , Walter F. Salter, ex-gerente da filial canadense da Sociedade Torre de Vigia, já tinha feito duras críticas ao uso de Bete-Sarim por Rutherford. Em 1939, Olin R. Moyle, ex-assessor jurídico das Testemunhas de Jeová, publicou nos jornais locais uma carta endereçada a Rutherford, como um dos exemplos de "a diferença entre as acomodações decoradas para você e seus assistentes pessoais, comparados com aquelas fornecidas à alguns de seus irmãos." Entretanto, a Sociedade Torre de Vigia já tinha respondido às críticas de uma forma bastante contundente e óbvia: Em 02 de maio de 1937 foi publicado na revista "The Golden Age" (atual Despertai!), uma fotocópia de uma carta de We Van Amburgh, Secretário-Tesoureiro da Sociedade Torre de Vigia, afirmando categoricamente:


"Nem um centavo dos fundos da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados entraram na construção da casa em San Diego, onde o Juiz Rutherford faz o seu trabalho de inverno. Foi um presente de amigos. Eu não sabia da existência da casa até que eu li dela em "A Idade de Ouro". Nem um centavo dos fundos da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados entrou na compra dos carros Cadillac utilizados por Rutherford, em San Diego e Brooklyn. Eles foram presentes de amigos."




Finalmente, este conceito foi completamente ajustado em 1950, quando estudos adicionais das Escrituras indicaram que esses antepassados terrestres de Jesus Cristo serão ressuscitados depois do Armagedom. — Veja “A Sentinela” de agosto de 1951, páginas 119-21.

Desta forma, se resolvia a principal acusação de que Rutherford estava utilizando o dinheiro da Sociedade para usufruto próprio. A casa, mesmo que construída por um objetivo inútil, mas o foi com recursos próprios de amigos pessoais de Rutherford. Embora o mesmo tenha dado à casa a finalidade de receber os “príncipes”, é bem possível que a maioria dos irmãos que construíram a mansão duvidassem disso, e a tenham feito justamente para dar ao “amigo e irmão” uma morte mais confortável. Rutherford estava num deplorável estado avançado de pneumonia. Hoje é uma doença horrível, imagina há 80 anos quando não havia recursos na medicina? Se tivermos de acusar alguém, seria a esses amorosos irmãos que decidiram dar um conforto aos últimos dias de vida do seu querido presidente.

Entretanto tem uma coisa que me incomoda. Embora amplamente divulgado nas publicações da década de 30 e 50, atualmente as nossas publicações não faz nenhuma referência a mansão Bete-Sarim. A única menção sobre o assunto é feito apenas no livro Proclamadores do Reino, na página 76, livro este que deveria contar essa história com detalhes, mas apenas traz uns três discretos parágros: “Alguns anos após a morte do irmão Rutherford, a diretoria da Sociedade Torre de Vigia decidiu vender Bete-Sarim. Porquê? "The Watchtower" de 15 de Dezembro de 1947 explicava: "Havia cumprido plenamente seu objetivo e agora só servia como monumento bastante dispendioso de manter.”

Fico frustrado porque serve de instigação a apóstatas. Muitos irmãos sequer souberam o que foi a Bete-Sarim, e possivelmente, se fossem abordados por algum morador, negaria com convicção fortalecendo a idéia de que muitos irmãos servem a Jeová mas são “enganados” pelos seus líderes quanto a história da organização no passado. É algo que vai mudar sua fé? É algo que fará você abandonar a Organização de Jeová? Claro que não! Mas é sempre bom estarmos complemente informados acerca de tudo que permeia nossa vida espiritual. Mas enfim, a partir de agora, por meio do “DESCONSTRUINDO” você conheceu a história e saberá se defender se um dia for confrontado por algum incauto.

25 comentários:

  1. fico feliz de saber que o dinheiro que foi usado para construir beth-sarin não foi dos fundos da Torre de Vigia, o que mostra que desde aquela época já havia preocupação por parte dos irmãos da dianteira em usar bem os recursos advindo de donativos voluntários.

    ResponderExcluir
  2. E vc. ainda perde seu precioso tempo com apostatas?

    Cleo-SP

    ResponderExcluir
  3. você anda em uma linha mt tênue entre informar e por duvidas, parece um apostata disfarçado.

    ResponderExcluir
  4. Calma aí pessoal. Eu acompanho o blog do André há muito tempo e sei que ele não é apostata. Os assuntos que ele põe em pauta são coisas que a gente vê nas nossas próprias publicações ou nas reuniões. São coisas que a gente tem interesse em saber, até mesmo pra conhecer mais a respeito da organização a qual pertencemos. Não vi nada de apostasia no texto dele.

    ResponderExcluir
  5. eu vejo nas entrelinhas, a não ser que você tenha a mesma linha de pensamento dele.

    ResponderExcluir
  6. Eu não perco tempo com apóstatas; mas pode ter certeza que algum morador vai perder, aquele colega de trabalho tambem vai perder, ou quem sabe, o seu estudante, na escola, na internet, tambem vai perder.

    ResponderExcluir
  7. BIO - eu nao conseguir entender onde o acima citado viu apostasia num fato esta nas publicaçoes da decada de 30 a 50?. o que vc entende como apostata? gostaria de saber, pois sabe la o que vc anda ensinando pra seus estudantes?

    ResponderExcluir
  8. BIO, o que ele quis dizer é que ao fazer qualquer comentário, mesmo que seja uma critica mínima sequer sobre as publicações, o escravo ou qualquer coisa dentro da Congregação que você está sendo "apóstata" nas entrelinhas, entendeu? É o típico irmão alienado, que não pensa, não raciocina, apenas digere o que lhe é dado em papinha espiritual. - Compare com Atos 17:11

    ResponderExcluir
  9. BIO - cho interessante que somos incentivados a a respeitar aqueles que tem uma conciencia mais sensivel, mais na contramão disso percebo que estes mais sensiveis tem uma seria dificuldade em nao serem ofensivos com aqueles que noa sao tao sensiveis assim, talves devido ao seu grau maior de conhecimento. Sei que deveria ter um respeito mútuo, mais parece que isso é meio dificil para esses

    ResponderExcluir
  10. Comentário não publicado, por conter criticas apóstatas.

    ResponderExcluir
  11. Se Rutherford usava a mansão para sua diversão, era problema dele. A mansão era dele, foi dada por amigos dele e ele podia fazer o que quiser.

    ResponderExcluir
  12. É, mais aposto que se ele pegase um irmão se divertindo com seus amigos esse irmão levaria um puxão de orelha e chamado de mundano.

    ResponderExcluir
  13. É, ja vi que você nunca foi uma Testemunha de Jeová. Nos divertimos muito mais do que você possa imaginar. Deixa eu voltar que eu vou te convidar pros churrascos que fazemos na chácara de um irmão aqui em Luziania-GO.

    ResponderExcluir
  14. Eu estou falando de pessoas amigas não testemunhas de jeova e não de pessoas que fingem serem suas amigas mas qque te abandonam e viram a cara se vc deixar a organização, isto é , falsos amigos.
    A proposito, vc se enganou,sou tambem testemunha de jeova aqui em Belem do Para.

    ResponderExcluir
  15. andre, primeiramente parabéns pelo seu blog, muito interessanre, sou estudante da biblía e achei esclarecedor a verdade sobre j.f.rutherford bém diferente dos apóstatas.

    ResponderExcluir
  16. Rutherford tinha fé em que os fieis da antiguidade seriam ressucitados. Essa fé era baseada na escrituras. Porque deveria chocar alguem que se esta na expectativa de ver Moises, Abraão, Isace, Jacó, Davi... pois como o próprio Jesus respondeu aos Fariseu que o seu Deus é pai dos vivos e não dos mortos. Estamos nos ultimos dias, sem duvida. Dentre todos os absurdos e modos distorcidos de achar que o mundo iria acabar durante a II guerra mundial os ensinos da Torre de Vigia eram os unicos coerentes.

    Rutherford e os iguais a ele creram que veriam em sua vida ainda antes do Armagedom esse fieis, mas só se precipitaram no tempo e não trouxeram a ninguem prejuizo por isso, só falaram de verdadeira fé baseada na tipica racionalidade vistas nas publicações das TJ. Eu se estivesse vivo então teria a expectaviva viva de ver esses antigos patriarcas. Não me arrependeria da minha fé embora equivocada como foi algumas vezes a de Moisés e os apostolos.

    ResponderExcluir
  17. Será que esta o exemplo desta casa não nos ensina a ponderar tudo o que vemos?de que temos o direito de pensar? e até de duvidar ?princiopalmente quando nossa vida está em risco por doutrinas que acreditamos que serão ajustadas?

    ResponderExcluir
  18. Verdade, também gostaria que os irmãos falassem mais nos casos do passado, como Beth sarim, pois não há o que temer, temos em mente que a organização vem se aperfeiçoando e melhorando do começo até aqui, com seus erros e acertos no melhor esforço para um entendimento correto das escrituras, então não muda em nada essa história pra mim. Mas seria bom deixar todos os irmãos vacinados de antemão, pois muitos são capazes de tropeçar ao se depararem com histórias como essa, que é um pouco negativa mesmo.

    ResponderExcluir
  19. Bastante esclarecedor! Jamais saberia uma resposta a respeito desse assunto. Então como eu poderia defender minhas convicções caso alguém me aborde falando a respeito disso?

    ResponderExcluir
  20. Acho que a falsa profecia fala mais alto. Se foi dinheiro de oferta ou não.... é insignificante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não houve falsa profecia. Houve, talvez, os delírios de um homem idoso e doente, cujos amigos resolveram se juntar para fazê-lo morrer o mais confortável possível. Ninguém morreu ou perdeu bens por causa disso.

      Bem diferente das profetadas que são feitas hoje por pastores pentencostais que vendem ilusões, se intrometendo na vida emocional e financeira das ovelhas tosqueadas.

      Excluir
    2. Se ele estava idoso e doente na época em que "profetizou" este retorno dos príncipes, não teria sido correto seu afastamento da organização para tratamento ?

      Excluir
    3. Se o proprio Jesus perdoou Madalena diante daquele ato de adultério em que a mesma foi flagrada, porquê as TJ punem aqueles que cometem algum erro, mantendo este errante escorraçado por um período ??

      Excluir
    4. "Se ele estava idoso e doente na época em que "profetizou" este retorno dos príncipes, não teria sido correto seu afastamento da organização para tratamento?"


      Rutherford, já não decidia assuntos da Organização àquela época. Seguindo o modelo dos apóstolos, o presidente de Betel só perde o cargo se reununciar ou cometer um erro.

      "Se o proprio Jesus perdoou Madalena diante daquele ato de adultério em que a mesma foi flagrada, porquê as TJ punem aqueles que cometem algum erro, mantendo este errante escorraçado por um período ??"

      Leia as cartas de Paulo aos Corintios, e descubra. ;)

      Excluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.