sexta-feira, 23 de abril de 2010

CONTOS NEM TÃO DE FADAS ASSIM

A revista MUNDO ESTRANHO desse mês trouxe uma matéria bastante interessante, do qual já tinha ouvido falar, mas nunca tinha lido: a origem macabra dos contos de fadas. Chapeuzinho Vermelho, Os 3 Porquinhos, João e o pé de Feijão no inicio eram lendas bizarras contadas por pais que queriam assustar seus filhos ou mantê-los longe de encrencas, mas que com o passar do tempo foram modificadas para virarem lindas e singelas histórias de ninar.


ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS - Drogas e Pedofilia.

A história infantil mais famosa de todos os tempos esconde um origem ligada a pedofilia e uso de drogas como ópio e cogumelo alucinógenos. Em 1865 Lewis Carroll conheceu uma garotinha de 8 anos chamada Alice Liddel e foi "amor á primeira vista". Para se aproximar da menina, Lewis inventada histórias loucas de uma Alice num país de contos de fada. Mais tarde foi incentivado a criar um livro sobre essas histórias, e á base de ópio e congumelos alucinógenos, Lewis criou a história o qual conhecemos hoje que muitos dizem está cheio de referencias políticas ou simplesmente, "sem nexo", afinal, quando se está viajando, a mente inventa um monte de loucuras.

O coelho que sempre se atrasa era uma crítica a formalidade e a preocupação inglesa com a pontualidade, o Chapeleiro Louco era uma "homenagem" aos chapeleiros de Londres que realmente tinham alucinações por causa do mercúrio utilizado na fabricação dos chapéus, o Dodô, ave que promovia corridas que não chegavam a lugar nenhum era uma crítica ao parlamento e, enfim, a Rainha de Copas era uma versão da Rainha Vitoria que apesar de sua importancia, não representava nada de relevante para a política britânica, por isso, Lewis criou o bordão "Cortem lhe a cabeça", que jamais era cumprido de fato.

CHAPEUZINHO VERMELHO - Sangue, violência e pedofilia.



A lenda surgiu na idade média, por camponeses europeus e teve a fome e a mortalidade infantil como inspiração. A versão mais aceita conta a história da pequena Chapeuzinho Vermelho que vai visitar sua vó, porém o lobo mau estraçalha a vovó sem dó e piedade. Ao chegar na casa, disfarçado da vovó, primeiro o lobo lhe oferece a carne e o sangue da vó para Chapeuzinho que come com gosto, depois o lobo começa a pedir para a menina se despir. A cada peça de roupa tirada ela perguntava ao lobo o que fazer, e ele respondia "Jogue no fogo minha criança, porque você não vai precisar disso.". Completamente nua, ela se deita ao lado do lobo e começa a desconfiar fazendo as famosas perguntas "que boca grande você tem"; o problema é que na versão original ela cita inclusive o pênis do lobo mal. No fim, o lobo mal ataca a chapeuzinho vermelho, jantando-a. A idéia era mostrar para os filhos dos camponeses que elas jamais deveriam falar com "lobos", ou seja, pessoas estranhas.


A BELA ADORMECIDA - Feitiçaria, canibalismo e necrofilia.

A historia original é sobre Tália, uma filha de camponês que ao costurar acaba se furando com uma farpa de um tear, provocando uma maldição lançada por uma bruxa ao seu pai desde quando a menina era uma garotinha. Desconsolado, o pai vai embora deixando a filha adormecida sozinha e abandonada. Numa caçada, o rei, que já era casado, se encanta por Tália, e antes de partir faz sexo com ela apagada do jeito que estava. Mesmo dormindo ela engravida de gêmeos e os tem, mesmo estando dormindo. Ao tentar mamar, um dos filhos chupa o dedo da mãe, que suga a farpa e faz com que ela acorde do sono profundo. Acabou? Nada, tem mais.

O rei volta e descobre que Tália acordou e mantem um caso com ela. Porém a rainha descobre, prende Bela junto com os fllhos e resolve fazer um jantar cozinhando todo mundo. Porém o cozinheiro esconde Bela e serve carne de cabrito no lugar enganando a rainha. Revoltada ela mesma resolve fazer o seu jantarzinho, e coloca no caldeirãolargatos, sapos, víboras e cobras vivas. Quando o rei descobre, tenta pegar a rainha de surpresa, mas ela se assusta e se joga no caldeirão sendo devorada pelas feras. Bela, com seus dois filhos, deixa de ser amante e vive feliz para sempre agora como esposa oficial.

CINDERELA - A gata barraqueira


Na versão original a nossa heroína junta forças com a governanta para matar sua madastra. Um dia quando a megera pega roupas num baú a moça lhe fecha a tampa na cabeça. Mais tarde, os irmãos Grimm colocaram mais miolo na história. Quando o príncipe visita as casas para identificar o pé de sua amada, as irmãs malvadas de Cinderela se mutilam para tentar calçar o sapato, cortando os dedos e calcanhares. Já a madastra morre de desgosto e os pombos devoram seus olhos e os das filhas.


BRANCA DE NEVE - Inveja, tortura e canibalismo.

Quando Costinha participou da versão pornô de Branca de Neve, alguns acharam uma afronta, mal sabiam eles, que a versão original era muito mais louca. Na versão original dos irmãos Grimm, quem pira ante ao espelho é a mãe de Branca de Neve, que inveja a beleza de sua própria filha que tinha apenas 7 aninhos. A rainha então manda um caçador matar sua filha, trazendo um fígado e pulmão como prova do serviço. Ele não faz o serviço, deixa a criança para ser criada por alguns homens (que mais tarde os irmãos Grimm transformaram em anões e a Disney quantificou para 7) e engana a mãe trazendo uma carne de javali que a mãe come achando que é da filha. Após ter o plano frustrado tempos depois, Branca casa-se com o príncipe que pune a sogra mandando-a dançar até a morte calçando sapatos de ferro em brasa!

OS 2 PORQUINHOS E UM LOBO ASSADO

Na versão original os dois primeiros porquinhos não conseguem fugir e são devorados pelo lobo. Só que o lobo não consegue enganar o terceiro e por isso tenta entrar na casa pela chaminé. O lobo cai dentro de um caldeirão aonde acaba virando o jantar da vez!


JOÃO E MARIA

Por causa da fome, a mãe instiga o marido a levar os flhos para a floresta para serem largados por lá. Porém João e Maria ouvem a tramóia dos pais e decide deixar pedras pelo caminho conseguindo voltar para a casa. Mas numa segunda vez não dão sorte pois os pássaros acabam comendo as migalhas de pão deixados pelo caminho. Na mata, os pequenos acham uma casa toda feita de comida. A bruxa já lambia os beiços pensando no jantar que as duas crianças iam dar, mas Maria empurra a bruxa no caldeirão, mata a megera e os dois ainda saqueiam a casa antes de sair!

A PEQUENA SEREIA

Criada pelo dinamarquês Christian Andersen em 1837 a história original não tem nada de puro e bonito conforme o desenho da Disney. No original a bruxa do mar corta a lingua de Ariel, que perde a voz. Além disso, a sereia tem a cauda rasgada em duas para virar mulher e conquistar o coração do príncipe. Mas a cada passo, as pernam sangram e doem. As irmãs de Ariel chegam a arrancar os cabelos literalmente para entregá-los á bruxa, que por sua vez tiraria a maldição, mas em vez disso, ela dá uma faca a Ariel para que ela mate o príncipe - que a trocaria por outra - e ela voltaria a ser sereia. Traída e desenganada, o final é triste, com Ariel se matando, pulando de um abismo no mar gelado.

Um comentário:

  1. BIO - COSTUMO LER ESAS REVISTAS, GALILEU, MUNDO ESTRANHO, SUPERINTERESSANTE E ACHEI BEM LEGAL ESSE SEU ACHADO DESSE ARTIGO, NAO TINHA LIDO AINDA.....

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.