quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Futebol ou Nada?




Você torce para qual time? Você terá respostas diversas e respondidas de formas diferentes caso seja feita para um irmão em um dos 27 estados brasileiros. Se esta pergunta for feita em Salvador ou no Rio de Janeiro, os irmãos provavelmente lhe dirão que não torce para time algum, que isso é idolatria, coisa e tal. Se esta mesma pergunta for feita em Brasília ou São Paulo os irmãos lhe responderão sem problema algum, qual o time do coração.

Não preciso dizer que qualquer objeto como chaveiro, boné ou camisa de um time nas duas primeiras cidades citadas é quase uma heresia; mas já nas duas últimas citadas, é tão comum que é considerada uma roupa de passeio, de ir num clube, coisa e tal.

O que diferencia o modo de pensar dessas pessoas? Duas verdades? Isso é o que se chama de cultura da regionalidade. Mas antes de entrar neste quesito, vamos entender plenamente o que a Organização já pregou sobre prática de esportes e sobre times de futebol em especial.

Caçando pelas nossas publicações, a maioria dos tópicos sobre futebol se relacionam a Copa do Mundo. O que há de comum entre elas é que as advertências não se aplicam ao gostar de futebol - e consequentemente ter uma preferência um time (o grifo é meu) - mas a preocupação com o ufanismo exarcerbado e ao sentimento de nacionalismo que disso possa surgir.

Por exemplo, Despertai de 08/05 de 1991 questionou: "Copa do Mundo de Futebol - Esporte ou Guerra?" aonde foram apontados as guerras e a violência dos hooligans e o fato de que o esporte não trouxe solidariedade entre as pessoas.

O escravo chama a atenção para Gálatas 5:26 que diz "Não fiquemos egotistas, atiçando competição entre uns e outros, invejando-nos uns aos outros." Bem, levando por este ângulo, não só o futebol, mas qualquer esporte deve ficar bem distante dos irmãos. Pois qualquer que seja a modalidade, acaba levando a pessoa à competição, até mesmo aqueles famosos "solteiros contra casados", etc.

Eu particularmente acredito que deva existir o equilíbrio. É impossivel você praticar um esporte específico como diversão e não ter admiração por um esportista que faz parte desse esporte. A pessoa que tem o Tênis como hobby acaba sendo um admirador do Nadal ou do Federer.

No nosso caso - brasileiros - que amamos futebol, é impossível não ter uma certa simpatia por um time ou clube. No meu caso, eu tive meu pai que era fanático pelo Vitória, e que nos transmitiu essa paixão de uma forma que ficou marcada em nossa mente, principalmente depois de sua morte.

Às vezes tenho que me esforçar em manter as coisas dentro dos limites. Mas jamais deixei de fazer alguma atividade espiritual para me dedicar ao futebol. Até em 1993, quando o Vitória disputava pela primeira vez a final do Campeonato Brasileiro, fui para o Salão do Reino cuja reunião começava as 16 horas, bem no horário do jogo.

Não estou dizendo que tenho razão, nem que estou certo. Apenas estou tentando me justificar, ou me fazer compreender. Tenho evitado comentar coisas sobre futebol, e sobre o Vitória, meu time de coração, ou do Gama, meu time por adoção. Talvez para aqueles que detestam futebol seja fácil e talvez absurdo entender minhas palavras, mas outros sabem justamente o que estou falando. Infelizmente o mundo possui várias formas de anelar nossos olhos, e uma de minha maiores fraquezas, é o futebol.

E que comecem os Estaduais. E Que Jeová me perdoe!

4 comentários:

  1. BIO- MANO, VOCE É MUITO DOIDO. MAIS EU TE ENTENDO. KKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  2. não para não para não para.... pra cima TIMÃO. Esse ano não tem pra ninguem André é Timão na cabeça.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo novo template do blog, muito bonito!

    ResponderExcluir
  4. aqui nenhum irmão usa camisa de times ou do Brasil, mas nada contra torcer!!!

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.