quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Nintendo Wii:
O dia que Davi derrubou dois golias


No passado, videogame era coisa de criança. Hoje se tornou coisa de adolescente e adultocente. E quanto mais o tempo passa, mais os gameviciados querem mais. Mais imagens em alta definição, mas situações complexas e, principalmente, mais recursos. O sucesso dos games nos trouxe os videogames de alta resolução e os superjogos que parecem tão reais que saltam à rela como o Final Fantasy Series, Halo 3 ou Quake IV. Nessa leva, duas empresas, praticamente deixaram as demais no pó, ao disputar este mercado com os consoles Playstation (Sony) e XBox 360 (Microsoft). Durante muito tempo, as duas eram imbatíveis, disputando o mercado milionário dos superjogos.

Até o dia, que a Nintendo surpreendeu as duas, por incrível que pareça, fazendo justamente o contrário: apostando em jogos simples. A empresa japonesa decidiu não disputar com as duas, não iria fazer games avançadíssimos, com gráficos de ultima geração para agradar os jogadores veteranos, mas faria jogos simples para agradar o irmão mais novo, a irmã, o pai, o tio e o avô.

Enquanto no Playstation 3 e XBOX 360, você tem às mãos um joystick com um monte de botões e códigos complexos para jogar um game, no Nintendo Wii você precisa apenas de um controle remoto com alguns poucos botões. No Playstation você às vezes usa até 3 botões ao mesmo tempo para fazer um simples movimento; já nos jogos da Wii basta apertar um botão e movimentar os braços. O computador faz o resto. Incrível né?

Além disso, além de apostar em jogos de ação com enredos complicados, a Nintendo aposta em jogos simples para a família: ressuscitou o Super Mario, tem jogos de cartas, jogos de dança, karaokê e a maioria deles podem ser jogados por até 4 pessoas ao mesmo tempo. Como a empresa gasta menos para produzir estes jogos, o preço final nas lojas também é pequeno, chega a ser 1/3 do valor dos da concorrência. Aliás, como concorrente, a Sony e Microsoft nunca tinha vista a Nintendo, até o dia que o Wii chegou a marca de 10 milhões no mundo em apenas 1 ano. Só o Playstation 2 levou dois anos para bater esta marca, o Playstation 3 nem sonha ainda e o XBOX, só para quem tem muito dinheiro.

Eu, particularmente, não sou muito fã do Nintendo. Acho muito bobinho os jogos, além disso já estou acostumado a ficar digitando números e códigos para passar as fases do Quake e Doom no meu computador, por isso um joystick é coisa boba. Mas ao contrário de muitos veteranos, não sou contra o joguinho japonês. Afinal, os leigos também devem ter uma chance de jogar. E também podemos bater no peito e dizer coisas: “Nintendo é coisa de criança, quero ver você me derrotar no Quake IV”.

2 comentários:

  1. Eu já prefiro os jogos da NIntendo. A maior parte dos games atuais são muito complexos e dificeis de aprender, e acabam consumindo um tempo que eu nao tenho. Prefiro jogos simples que tenham uma curva de aprendizado menor.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.