quarta-feira, 24 de outubro de 2007

[ Tropa de Elite ]


Tropa de Elite é a bola da vez. Assisti no cinema segunda-feira. Os esquerdistas de plantão, que amam culpar as injustiças sociais como justificativa para criminalidade, demonizou o filme chamando-o de facista, perigoso e propagandista da direita política. Se assim for, acabo de descobrir que se tivesse uma bandeira política eu seria extremamente de direita (até então achava que meu nojo pela esquerda era só uma questão de antipatia às ideologias hipócritas e bitoladas deles).


Na segunda-feiora, saía da casa de um amigo numa das mais novas, perigosa e humilde cidade-satélite de Brasília, e ao chegar na parada de ônibus estranhei a presença de um carro velho largado com as janelas abertas. Achei que seria de alguém que com a bexiga apertada que tinha corrido para algum matagal nas redondezas. Não era. Passaram-se cerca de meia hora e eu já estava preocupado, afinal, o que fazia um carro ali abandonado às 22:34 da noite?


Minha preocupação aumentou quando surgiu um rapaz mal vestido, que se aproximou e perguntou se o carro era meu. “Não, não é... estou aqui há mais de meia hora e não vi o dono”. Foi a senha: o rapaz foi embora e disse que voltaria com a turma para depenar o carro. Será que eu corria? Gritava por socorro? Fingia ignorar? E se eles me matassem? Graças ao meu bom Deus Jeová e ao seu filho Jesus, o ônibus chegou bem na hora que a “turma” retornava, tirando de mim o infortúnio de ser testemunha ou até mesmo vítima.


Fiquei pensando no dono do carro. E fiquei pensando nas pessoas. Os jovens aparentemente não pareciam desnutridos ou drogados. Não tinham a aparência de quem passava fome, e por causa das “injustiças sociais”, estavam cometendo um crime. Aliás, acredito que eles nem precisavam realmente daquilo. Percebi que o discurso da nossa esquerda burra era uma falácia.


Hoje, então, descobri que no mesmo dia, um amigo tinha sofrido um seqüestro relâmpago ao deixar sua namorada em casa em mais outra satélite, desta vez, de classe média. Ele, a namorada e mais uma irmã nossa ficaram à mercê de dois menores que com uma arma na mão ameaçava constantemente estuprá-las e matar o rapaz. No final, suas orações deram certo e eles foram embora contentes com o dinheiro tirado dos caixas eletrônicos e com o carro. Três pessoas traumatizadas; uma delas tomando calmantes e antidepressivos. Eles, por serem menores, devem ter a nossa piedade.


É claro que esse discurso meu é mundanista. As pessoas não têm a esperança sólida que temos de que o Reino de Deus irá acabar com todas estas coisas. Mas até lá vivemos na guerra deste mundo, e somente uma pessoa insensível pode ficar impassível quanto a tudo isso. Mas enquanto vivermos aqui, não desce garganta àbaixo a desculpa de que a culpa pelas mazelas são as diferenças sociais, que pobre não tem oportunidade e que a única saída é a criminalidade. Pode até ser, mas se escolher este caminho, precisam saber que sofrerão também as conseqüências, e uma delas, é ser punido pelos seus crimes.


Tropa de Elite se destaca por isso. Ao contrário de “Carandiru” e “Cidade de Deus” que tentava humanizar criminosos e mostrá-los como vítimas ou camaradas, “Tropa” faz justamente o contrário e acerta: bandido é bandido e tem que pagar pelos seus crimes. Eu penso assim e justamente para evitar que um dia eu me torne uma pessoa insensível e fria, é que repito todos os dias as palavras do apóstolo João em Revelação 22:20: “Amém, vem logo Senhor Jesus..”

3 comentários:

  1. UM CRISTÃO QUE ASSISTE A FILMES QUE EXIBEM TAMANHA VIOLENCIA NÃO É UM CRISTÃO DE VERDADE. SE FOSSE EM MINHA CONG. VC JÁ ESTARIA DESQUALIFICADO. INFELISMENTE OS ANCIÃOS AÍ NÃO TEM TEMPO PARA VER O QUE ESCREVE EM SEU BLOG. QUE LAMENTAVEL. QUE LAMENTÁVEL. ESPERO QUE MUDE ENQUANTO HÁ TEMPO.

    ResponderExcluir
  2. hahahahaha
    Meu Deus...como tem gente bruta neste Mundo....estaria desqualificado por assistir Tropa de Elite.....uhauhauhauhauhauhaua
    Rir muito agora!!!!

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.