quarta-feira, 22 de novembro de 2006

[ O Maior Homem que Já Viveu ]

Trabalharemos em dezembro com esse excelente livro. Junto com Proclamadores do Reino, O Maior Homem foram os únicos que "devorei" em apenas uma noite, logo após o lançamento deles no congresso. De leitura facil e interessante o livro foi recebido muito bem pelas pessoas que eu dei testemunho informal, desde que foi lançado em 1991. Por isso, aproveitando o ensejo da reunião desta semana, permitam-me contar duas experiências que tive com este livro.

:::::: Em 1992, eu trabalha como Recepcionista do Farol Barra Flat, na Barra, em Salvador. O gerente era evangélico e sabia que eu havia sido também no passado, por isso não se conformava em saber que eu tinha me tornado Testemunha de Jeová. Assim, sempre que podia, procurava conversa comigo para questionar minha fé. Mas não era assim estressante pois conseguíamos manter a conversa num tom cordial. Numa dessas conversas aprensentei a ele o livro Maior Homem - naquela época os evangélicos pintavam as TJ como anticristo. Ele olhou com desdém, mas levou para sua sala. Durante o dia todo, nas várias vezes que passava em sua mesa, via ele lendo o livro com uma atenção grande. No final do dia, quando estava indo embora, ele me falou se poderia levar para casa. Tudo bem, no problem!. No dia seguinte, ele me devolveu o livro dizendo que foi um dos livros mais bem feitos sobre Jesus Cristo. Ironicamente, disse ele, as Testemunhas de Jeová fizeram o melhor livro que li até hoje sobre o nosso Senhor. O mais engraçado foi quando ele perguntou: Voces devem está ganhando rios de dinheiro com esse livro, não é? Quando disse a ele que o livro era repassado por uma contribuição, ele ficou pasmado.

:::::: No ano passado, eu levei o livro para o trabalho e mostrei para alguns colegas. Um deles - Luciano - leu o livro que falava sobre o flagelo de Cristo. Logo depois ele voltou com essa:

- Esse livro imitou o filme de Mel Gibson, né?
- Que parte?
- Essa aqui, que fala do chicote que Jesus foi flagelado. Que arrancava a pele, a carne, etc...

Então mostrei a ele a data que o livro foi lançado (1991) e perguntei a ele quando foi que "A Paixão de Cristo" foi lançado no cinema. Ele pensou, pensou e declarou:

- Puxa, esse livro é fantástico. Acho que é o único livro que menciona tantos detalhes à respeito da morte de Cristo. Consegue um para mim?

3 comentários:

  1. Ontem eu usei uma de suas experiências na reunião, os irmãos gostaram e riram quando eu comentei sobre seu colega que achou que o livro imitou o filme do Mel Gibson.

    ResponderExcluir
  2. Sério? Haha... pois é, to até emocionado.

    ResponderExcluir
  3. estou lendo este livro e com certeza uns dos melhores livros da organização, bém animador e gratificante!

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.