domingo, 28 de dezembro de 2008

A Cabala – Um câncer no Judaísmo




"Não se deve achar em ti alguém que...
procure presságios...
Pois todo aquele que faz tais coisas
é algo detestável para Jeová..."
- Deuteronômio 18:10-13



Depois que Madonna se declarou seguidora da Cabala (ou Kabalah), várias celebridades resolveram segui-la e de repente a chamada sabedoria milenar judaica vem sendo exaltada como a grande novidade religiosa. Ser uma cultura milenar não quer dizer grande coisa, apenas que uma bobagem vem sendo propagada a milhares de anos. Mas o que é a Cabala? Nasceu realmente entre os judeus? Então é algo que os judeus praticavam como algo correto ou havia dissidências?

Antes de tudo vale relembrar algumas coisas. A nação de Israel nasceu da descendência de Abraão, cujo pacto com o Deus Jeová, a transformou numa nação grande, forte e respeitada. Embora a adoração a Jeová fosse o centro de tudo, com o passar do tempo, principalmente após a divisão do reino em 12 tribos e dois reinos, muitos judeus passaram a se dedicar a outros tipos de filosofias e crendices contrários a Lei de Deus, que o levou a dar diversas advertências como a mencionada no texto citado acima.

A maior delas, com certeza foi a adoração à Baal, principalmente porque os reis do reino de 10 tribos o adoravam, mas o judeus recebiam influências de várias outras crenças, principalmente quando Babilônia se tornou uma poderosa nação. Após a divisão dos reinos, Judá, e consequentemente Jerusalém, de onde surgiu o judaísmo, lutou para impedir que crendices como a Cabala, dominasse a Lei de Jeová.

Formas iniciais de misticismos já tinham sido inseridas na cultura judaica desde os anos 1000 AEC, mas foi somente sob o domínio grego, que muitas destas crenças ganharam força ao se misturar à filosofias agnósticas sob o imperador Alexandre, o Grande. Embora digam que a Cabala seja uma doutrina milenar (como se fosse atestado de ser infalível), em comparação com a história do povo judeu, ela é uma doutrina “recente”. Segundo o respeitado historiador judeu Flávio Josefo, doutrinas místicas como a Cabala surgiu entre os judeus possivelmente após a conquista de Jerusalém pela Grécia em 332 AEC.

A Cabala que significa “recepção” consiste em buscar a Deus por meio de um conjunto de letras, palavras, números e alguns acentos ocultos dentro das Escrituras Hebraicas, que segundo estes sábios, escondem os segredos de Deus. A Cabala ensina como descobrir estes segredos ocultos por meio de métodos de interpretação e meditação. Uma grande bobagem.

A Cabala, assim como vários outros ensinos místicos inseridos por judeus hereges, formaram o câncer que culminou na rejeição daquela nação por Jeová. Só para se ter idéia, a Cabala vai até o ponto de ensinar sobre a reencarnação, que até então era considerado ensino repugnante, mas acabou se tornando popular por meio dos Saduceus. Hoje é amplamente defendida pelo judaísmo atual.

Pra começar, Jeová sempre observou e alertou a nação de Israel quanto à introdução destas crenças místicas em seu meio. Exortações como encontramos em Deuteronômio 18:10-13 são comuns em toda as Escrituras Hebraicas. Portanto qualquer prática de presságio, mediunidade, espiritismo ou de origem pagã é totalmente rechaçada pelo Deus do antigo Israel.

Segundo, Jeová é um Deus Todo Poderoso, cuja sabedoria é inescrutável para suas criaturas. (Isaias 55:8,9; Romanos 11:33) No entanto, aquilo que a nós é dado saber, Jeová se permitiu ser conhecido por meio das Escrituras. Não existe mistério ou segredos ocultos dentro do Pentateuco ou qualquer outro inscrito sagrado do cânon hebraico. (Salmo 19:1,2; Provérbios 1:7). De fato, no primeiro século um apóstolo judeu seguidor do judeu mais importante que pisou nesta terra, Jesus Cristo, transcreveu suas palavras, quando disse: “Isto significa vida eterna, que absorvam conhecimento de ti, o único Deus verdadeiro, e daquele que enviaste, Jesus Cristo” (João 17:3). De onde buscamos este conhecimento?

A Bíblia está cheia de segredos, maravilhas, promessas de um futuro feliz e de como podemos conhecer verdadeiramente a Jeová. Mas eles não estam ocultos em palavras ou recitais de códigos de meditação. Mas está bem diante dos nossos olhos. Basta ler, meditar e seguir. – Provérbios 2:1-5; compare com Deuteronômio 17:18, 19.

3 comentários:

  1. Bela postagem André, muito instrutiva. Obrigado.

    ResponderExcluir
  2. Achei interessante saber um pouqunho sobre essa Cabala.

    ResponderExcluir
  3. a cabala segue o ramo do ocultismo como a teosófia que tem atraido a muitos e que é algo ao qual jeová nos deixou de sobre aviso na sua palavra que não devemos contatar.

    ResponderExcluir

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.