domingo, 4 de novembro de 2007

[Favoritismo]

O Estudo da revista de hoje foi bastante interessante principalmente o abordado pelos parágrafos 8 e 9 que foi um verdadeiro tapa na cara da indústria da bajulação.

Lembra-me de uma história contada pela esposa de um superintendente de circuito. Ela dizia que quase todos os dias alguns irmãos apareciam para trazer-lhes presentes: geralmente eram guloseimas, mas também havia os materiais: sapatos, vestidos e assessórios. Então na primeira reunião, ela observou que existiam irmãos humildes na congregação que vestiam roupas bem simples, por sinal, um dos pioneiros regulares usava um sapato tão gasto que a sola parecia uma boca de jacaré.

Ela pensou em dizer para os irmãos que davam presentes a eles, que procurassem estes irmãos que tinham mais necessidade, mas achou que poderia estar demonstrando ingratidão, então o que fez? Ela mesma chamou cada um desses irmãos e deu os sapatos a eles.

No parágrafo 9 diz que mostrar consideração aos espiritualmente fortes e aos anciãos e superintendentes não é favoritismo, mas fazer isso somente a estes, em busca de destaque, é bajulação!

Na minha congregação há uma irmã que mesmo com seu carro zerinho, faz questão de pegar as irmãs idosas e leva-las ao Salão. E olhe que algumas moram em verdadeiras baixadas. Assim, qualquer ato que ela venha a fazer com irmãos de destaques, é visto como uma coisa normal.

No entanto, aquela pessoa que quase não visita a cada de ninguém, quase não faz nada por ninguém, chega a visita e resolve ligar o carro, levar guloseimas ou dar presentes materiais, é bajulador.

Como diz um irmão idoso de minha congregação: “ninguém nunca pediu para lavar meu carro, mas com o do superintendente de circuito, tem até disputa!”

Graças a Jeová, estes fazem parte de uma pequena minoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TODOS COMENTÁRIOS SÃO MODERADOS. (1) Não tiro dúvidas sobre doutrinas cristãs (2) Não permito ofensas, palavrões ou termos vulgares. (3) Não é permitido proselitismo, apostasia, contudo, aceitamos bons argumentos.